Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.159,85
    -133,92 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3062
    +0,0082 (+0,15%)
     

Fed ataca inflação dos EUA com nova alta robusta dos juros

Em guerra contra a inflação, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) anunciou nesta quarta-feira (21) um novo aumento de 0,75 ponto percentual dos juros de referência, e advertiu que agora espera que o crescimento da maior economia mundial seja de quase zero em 2022.

As taxas básicas de juros do Fed se situam agora entre 3% e 3,25%, anunciou a instituição em nota à imprensa.

Esta é a terceira vez consecutiva, desde março, que o Fed eleva as taxas nesta proporção, em sua luta contínua para baixar uma inflação que atingiu cifras recorde em 40 anos.

Além disso, o Fed estima que serão necessários novos aumentos dos juros este ano, segundo o comunicado, até que a taxa de juros oficial suba mais um ponto percentual.

O Fed está "firmemente comprometido em conseguir que a inflação volte a 2% e continuará assim até que o trabalho esteja concluído", afirmou o presidente do Fed, Jerome Powell, em coletiva de imprensa posterior à divulgação do comunicado.

Ele alertou, inclusive, que uma "flexibilização prematura da política" monetária implica riscos.

A elevação das taxas de referência aumenta automaticamente os juros dos empréstimos a pessoas físicas e jurídicas. O objetivo é frear a atividade econômica e, assim, aliviar a pressão sobre os preços.

"Temos que reajustar oferta e demanda. E nossa forma de fazê-lo é frear a economia", explicou Powell.

Os juros dos empréstimos imobiliários, por exemplo, subiram desde o começo do ano e acabam de passar dos 6% para créditos a 30 anos pela primeira vez desde 2008. Isto faz caírem as vendas em um setor que gozava de excelente saúde desde o início da pandemia.

- Menos inflação em 2023 -

A reunião do comitê de política monetária (FOMC) aproveitou para atualizar suas previsões econômicas. Agora, prevê um crescimento quase nulo do PIB em 2022, enquanto em junho prospectava +1,7%.

Depois, prevê um repique de até 1,2% em 2023, embora não tão forte quanto o crescimento de 1,7% que previa em junho para o próximo ano.

As previsões de inflação se mantêm perto do esperado em junho: 5,4% em 2022 (frente a 5,2%) para a inflação PCE, antes de desacelerarem fortemente em 2023 para 2,8% (frente a 2,6% anteriormente).

O Fed privilegia o índice de inflação PCE, que se situou em 6,3% interanual em julho, segundo o último dado disponível, frente ao índice IPC, usado como referência para indexar especialmente as pensões.

Embora o aumento dos preços tenha desacelerado em agosto, graças à queda dos preços da gasolina, ainda persiste uma pressão muito forte, com uma inflação de 8,3% interanual em agosto.

- Não há remédio indolor -

Mas esta desaceleração voluntária da economia é muito delicada, pois sendo excessiva, poderia mergulhar os Estados Unidos em uma recessão que já assombra toda a economia mundial.

O mercado de trabalho dos Estados Unidos goza de boa saúde, mas Powell disse que devolver a inflação a níveis mais aceitáveis terá um impacto no desemprego e na economia em geral.

"Se quisermos voltar a um período de mercado de trabalho muito forte, temos que deixar a inflação para trás. Seria bom que houvesse uma forma indolor de fazê-lo, mas não há", disse Powell.

O desemprego está em um dos níveis mais baixos nos últimos 50 anos e não há mão de obra suficiente para todas as vagas disponíveis.

Pelo aumento dos juros, estima-se que o desemprego, atualmente em 3,7%, cresça muito sutilmente para 3,8% em 2022, perto dos 3,7% previstos anteriormente, antes de alcançar 4,4% em 2023 (frente aos 3,9% previstos em junho).

O Fed reforçou que baixar a inflação é sua prioridade e permitir que se consolide exigiria medidas ainda mais dolorosas para as famílias e as empresas, como aconteceu há 40 anos, após anos de aumentos dos preços, que beiravam os 15%.

O banco central americano, assim como seus similares em todo o mundo, tenta frear a inflação causada pelas interrupções da cadeia de abastecimento relacionadas com a covid-19, e exacerbada pelo aumento dos preços da energia e dos alimentos devido à guerra na Ucrânia.

Vários bancos centrais deliberam esta semana, entre eles o BC do Brasil, o Banco da Inglaterra e o Banco do Japão, na quinta-feira. Na terça, o Riksbank da Suécia surpreendeu a todos com um inédito aumento de um ponto.

No começo deste mês, o Banco Central Europeu (BCE) elevou as taxas de juros em um nível sem precedentes de 0,75 ponto percentual.

jul-els/gm/yow/gm/mvv/ic