Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.574,13
    -15,68 (-0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

'Fechar a torneira' do plástico para salvar o Mediterrâneo

Nas profundezas, no estômago das tartarugas, nas praias: o plástico está em todo Mediterrâneo, o mar mais poluído do mundo. E mesmo que as operações de limpeza se multipliquem, apenas uma redução drástica de resíduos pode parar a catástrofe.

Em Mônaco, uma equipe científica internacional descobriu um verdadeiro lixão subaquático com mais de dois quilômetros de profundidade que inclui sacos, copos, ou um iogurte de uma marca francesa que desapareceu há 20 anos.

Cerca de "95% dos resíduos plásticos na água vão parar nos abismos. Quando encontram esse lixo, os pilotos dos submarinos sabem que chegaram ao fundo", explica à AFP um dos cientistas, François Galgani, especialista em plásticos do Instituto Francês de Pesquisa sobre a Exploração do Mar (Ifremer).

Principal destino turístico do mundo e com em torno de 25% do tráfego marítimo internacional, o Mediterrâneo está sob intensa pressão humana. Entre 5% e 10% do plástico do mundo é encontrado neste mar semifechado, que atinge um nível de saturação, alerta o Fundo Mundial para a Natureza (WWF).

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o plástico causa a morte de um milhão de aves e mais de 100.000 mamíferos marinhos no mundo todos os anos.

"Não temos escolha, temos que fechar a torneira", diz François-Michel Lambert, presidente do Instituto de Economia Circular.

De Tel Aviv a Barcelona, as operações de coleta de lixo são abundantes, transformando-o em cestas, joias, ou outros itens de consumo.

Mas o esforço é insuficiente, segundo Lucie Courtial, da associação monegasca Plastic Med. Além disso, as expedições de barco podem "deslocar o problema", devido às suas altas emissões de carbono.

- De macroplásticos a nanoplásticos -

A coleta nas praias "pode fazer sentido antes que o plástico se disperse no mar", diz a cientista. Ainda assim, estas operações servem, sobretudo, para "alertar o público em geral".

No mar, algumas iniciativas recebem apoio científico, como o navio Ekkopol, empresa francesa que aluga seus serviços para o poder público local.

Em áreas altamente poluídas, este catamarã pode tratar até 1.000 metros cúbicos de água por hora, capturando resíduos e hidrocarbonetos com um filtro.

Na baía de Saint-Florent, na ilha francesa da Córsega, Eric Dupont, seu cofundador, apresenta uma garrafa esmagada, uma amostra de "resíduo altamente degradado que geralmente acaba enterrado, ou incinerado".

Para "cada macroplástico recuperado, há dezenas de milhares de microplásticos a menos", diz ele, enquanto mostra um pedaço de uma espuma expansiva amplamente utilizada na construção civil.

"Ela se degrada em pó e é muito tóxica, principalmente para o fitoplâncton", explica.

"O plástico representa uma ameaça física, biológica e química à fauna e à flora e permanece no meio ambiente por muito tempo, o que o torna mais nocivo e prejudicial do que outros materiais no mar", insiste Lucie Courtial.

O plástico é prejudicial como material onde se fixam outros contaminantes como hidrocarbonetos, mas também por causa de suas próprias substâncias químicas, principalmente quando se degradam em micro ou nanoplásticos menores que um milésimo de milímetro, "pequenos o suficiente para passar pelos tecidos" diz Galgani.

Nesse momento, já "não há como voltar atrás, porque uma vez no ecossistema não podem ser recuperados", alerta.

- "Balsas" -

De acordo com os primeiros estudos, algumas espécies são especialmente vulneráveis: 80% das tartarugas ingerem sacolas plásticas, as gorgônias (uma espécie de coral) são cortadas por linhas de pesca à deriva, ou mictofídeos engolem microplásticos na superfície.

O plástico está tão presente no Mediterrâneo que, em algumas partes, já se integrou ao ecossistema: as espécies de "neuston", um conjunto de organismos invisíveis que vivem na superfície da água, usam-no como espaços flutuantes para se reproduzir.

"Seu impacto é difícil de quantificar. É ingerido pela fauna, mas também favorece a multiplicação de uma fauna microbacteriana", afirma Lucie Courtial.

"Cerca de 24 trilhões de microplásticos flutuam na superfície dos oceanos, de um continente para o outro", descreve François Galgani. E essas "balsas de plástico", que transportam vírus pelas correntes, representam "um risco de desestabilizar os ecossistemas".

"É bastante perigoso, também para a saúde humana", garante.

Diante da estimativa de que 80% do plástico no mar seja proveniente dos continentes, ambientalistas e cientistas fazem campanha pela gestão de resíduos em terra, que é mais eficiente e menos dispendiosa do que recolhê-los no mar.

Mas o problema é que nas margens do Mediterrâneo não existe uma gestão homogênea de resíduos. Nos países mais pobres, "lixões a céu aberto ainda são a norma", lamenta Lucie Courtial.

- "Mundo sem plástico" -

A consultoria ambiental britânica SystemIQ estima que, para reverter a tendência, é necessário atingir 85%-90% de plástico reciclado em 2050, contra os atuais 35% na Europa.

Mas mesmo que acabem no local apropriado, Lucie Courtial lembra que, "com os resíduos de plástico, não há reciclagem, mas 'deciclagem': uma garrafa de leite pode virar um tubo, por exemplo, mas temos que reinjetar matéria-prima".

O diretor na França da associação Plastics Europe, Jean-Yves Daclin, destaca que existem "novas tecnologias de reciclagem química, que permitirão reciclar produtos que hoje não podem ser reciclados", ou mesmo "fabricar plástico a partir de carbono capturado na produção industrial".

No Mediterrâneo, são os plásticos de uso único, com embalagens de alimentos na liderança, que compõem a maioria dos resíduos.

Para François-Michel Lambert, que fez lobby como deputado na França pela proibição de sacolas plásticas e utensílios descartáveis, "imaginar um mundo sem plástico é tão difícil quanto imaginar o fim do mundo".

jp/ol/dbh/mar/mr/tt