Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.602,99
    -80,56 (-0,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,23
    -0,04 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.852,60
    -3,60 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    33.805,81
    +358,57 (+1,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    681,09
    +4,19 (+0,62%)
     
  • S&P500

    3.830,91
    -10,56 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    30.801,09
    -195,89 (-0,63%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.355,75
    -5,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7075
    +0,0555 (+0,83%)
     

Fechamento de fábricas da Ford destoa da forte recuperação observada no país, diz Economia

·1 minuto de leitura
Prédio do Ministério da Economia em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Economia disse nesta segunda-feira que a decisão da Ford de fechar suas três fábricas no Brasil neste ano destoa da forte recuperação observada na maioria dos setores da indústria no país após o fechamento da economia em decorrência da pandemia da Covid-19 no ano passado.

Em nota, a pasta destacou que trabalha de forma intensa na redução do chamado "Custo Brasil". "Isto reforça a necessidade das medidas de melhoria do ambiente de negócios e de avançar nas reformas estruturais", afirmou o ministério.

Mais cedo nesta segunda-feira a Ford informou que interromperá de forma imediata a produção nas fábricas de Camaçari (BA), onde fabrica os modelos Ecosport e Ka, e Taubaté (SP), enquanto a produção de alguns produtos ainda seria mantida por alguns meses para sustentar os estoques para vendas de reposição.

A unidade que monta o utilitário Troller, em Horizonte (CE), continuará operando até o quarto trimestre. A Ford informou que emprega 6.171 funcionários no Brasil.

A Anfavea, associação que representa as montadoras de veículos no Brasil, afirmou em breve comunicado que respeita e lamenta a decisão da Ford. "Mas isso corrobora o que a entidade vem alertando há mais de um ano sobre a ociosidade local, global e a falta de medidas que reduzam o 'Custo Brasil'", declarou.

(Por Gabriel Ponte)