Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,44
    +0,21 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.763,00
    -15,80 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    43.548,92
    +1.417,29 (+3,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.094,12
    +53,64 (+5,16%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.083,37
    +102,39 (+1,47%)
     
  • HANG SENG

    24.680,04
    +458,50 (+1,89%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.207,00
    +43,50 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2082
    -0,0006 (-0,01%)
     

Febraban e Ministério da Justiça discutem criação de fórum contra cibercrime

·2 minuto de leitura

A repressão de crimes eletrônicos e cibernéticos no país vai ganhar um fórum específico: a Estratégia Nacional de Combate ao Crime Cibernético. A ideia é seguir os moldes da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla), que tem apresentado bons resultados desde sua criação em 2003.

Isaac Sidney, presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), e Anderson Torres, ministro da Justiça e Segurança Pública (MJSP), iniciaram as tratativas na sexta-feira (10). A ideia é identificar os responsáveis pelos crimes, expandir o conhecimento técnico das forças de segurança e promover a cooperação permanente entre agentes públicos e privados.

Imagem: Reprodução/Pixabay
Imagem: Reprodução/Pixabay

Segundo a Febraban, em 2020, bancos e instituições financeiras investiram R$ 2,5 bilhões em cibersegurança. Isso não inibiu os criminosos virtuais: houve um aumento de crimes relacionados ao sistema de pagamentos instantâneos Pix. Sem contar o crescimento de ataques cibernéticos, como ransomware e DDoS.

Capacitação e conscientização

Torres diz que o cibercrime incomoda muito a sociedade em razão dos prejuízos que causa ao cidadão. “A gente precisa ampliar as capacitações e trazer uma mudança de cultura institucional para as polícias de forma a avançar nas investigações, punir e responsabilizar os criminosos.”

As estratégias para isso devem incluir o desenvolvimento de plataformas de compartilhamento de dados de fraudes digitais e o apoio à capacitação das forças de segurança em temas relacionados no laboratório de cibersegurança da Febraban. Além disso, devem ser criadas campanhas de conscientização da população sobre riscos cibernéticos e fraudes.

Imagem: Reprodução/Envato/Prostock-studio
Imagem: Reprodução/Envato/Prostock-studio

Sidney destaca que a Febraban está empenhada em combater os crimes digitais, que amedrontam 81% dos brasileiros. “Estamos dispostos a ajudar a prevenir e combater os delitos cibernéticos e as fraudes eletrônicas. No ano passado, evitamos prejuízo da ordem de R$ 4 bilhões aos correntistas. Precisamos unir esforços com as forças policiais, MJSP e Banco Central do Brasil.”

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos