Mercado abrirá em 7 h 55 min
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,98
    +1,00 (+1,35%)
     
  • OURO

    1.759,00
    +7,30 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    44.125,97
    +1.909,20 (+4,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.101,23
    -1,83 (-0,17%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.259,75
    +67,59 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    30.232,14
    -16,67 (-0,06%)
     
  • NASDAQ

    15.367,75
    +49,00 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2572
    +0,0016 (+0,03%)
     

Febraban e Ministério da Justiça discutem estratégia de combate a crime cibernético

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) e o Ministério da Justiça discutem a elaboração de uma estratégia nacional de combate ao crime cibernético.

Isaac Sidney, presidente da federação, se reuniu nesta sexta-feira (10) com o ministro Anderson Torres. Eles iniciaram as tratativas para a criação de um fórum, que segundo a Febraban deve seguir os moldes da estratégia de combate à corrupção e lavagem de dinheiro, lançada em 2003.

O Brasil tem desde 2020 uma estratégia de segurança cibernética, chamada de E-Ciber, decretada pelo governo federal, com princípios e diretrizes a serem seguidos pelos setores público e privado.

Segundo a Febraban, a proposta debatida nesta sexta visa ampliar "a identificação e repressão dos responsáveis pelos crimes, expandir o conhecimento técnico das forças de segurança e promover a cooperação permanente entre agentes públicos e privados".

Lançado em novembro do ano passado, o Pix, sistema brasileiro de pagamentos instantâneos, tem sido usado para aplicação de golpes por bandidos, que tiram vantagem da facilidade e da rapidez da funcionalidade. Clientes poderão em breve escolher limites de transferência por horário, segundo anúncio do Banco Central no dia 27 de agosto.

De acordo com a Febraban, a estratégia a ser criada junto ao Ministério da Justiça terá como instrumento o desenvolvimento de um conjunto de plataformas de compartilhamento de dados de fraudes por meios digitais, além de apoio à capacitação das forças de segurança a partir do o laboratório para o tema na federação.

Não existem normas sobre compartilhamento de informações sobre incidentes e vulnerabilidades entre o setor público e o setor privado, segundo o Instituto Igarapé. Uma resolução do BC, de 2018, determina que as instituições financeiras devem desenvolver iniciativas para o compartilhamento de informações sobre incidentes -considerando o dever de sigilo e a livre concorrência.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos