Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.326,66
    -53,76 (-0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Febraban cobra 'reação firme' do estado contra golpistas

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) divulgou nota neste domingo (8) em repúdio aos atos de vandalismo realizados por golpistas hoje na capital federal, na Praça dos Três Poderes.

"Com mais de meio século de existência, a Febraban, integrante da institucionalidade do país, repudia com veemência as agressões ao patrimônio público nacional e a violência contra as instituições que representam o Estado Democrático de Direito", informou a associação em nota, assinada pelo presidente da instituição, Isaac Sidney.

A associação reúne 120 instituições financeiras, entre elas os maiores bancos privados e públicos do país.

"As cenas de desordem e quebra-quebra perpetradas na tarde deste domingo (8 de janeiro) em Brasília causam profunda perplexidade institucional, que exigem firme reação do Estado", diz o texto.

A CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) manifestou, em nota, "o seu mais profundo repúdio aos atos antidemocráticos e reafirma o compromisso com os valores do Estado Democrático de Direito".

A confederação afirma confiar "na apuração e punição dos responsáveis pelos crimes praticados contra a decisão manifesta nas urnas pela sociedade brasileira."

Paulo Solmucci Jr., presidente da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), informou à Folha que repudia os atos "com veemência."

"Lamentamos profundamente que extremistas exponham o país à situação tão absurda e que compromete a imagem do país como uma democracia", informou, em nota.