Mercado fechará em 6 h 50 min
  • BOVESPA

    101.259,75
    -658,25 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,52 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,98
    -0,87 (-2,18%)
     
  • OURO

    1.905,50
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    13.151,11
    +74,09 (+0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,69
    +2,23 (+0,85%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,13 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.844,59
    -15,69 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.574,50
    -89,00 (-0,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6737
    +0,0098 (+0,15%)
     

FDA suspende uso de hidroxicloroquina e cloroquina no tratamento da COVID-19

Fidel Forato
·2 minutos de leitura

Na busca por medicamentos e tratamentos contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2), a agência federal norte-americana, a Food and Drug Administration (FDA), revogou nesta segunda-feira (15) a autorização de uso emergencial para a hidroxicloroquina e a cloroquina no tratamento da COVID-19. Nos Estados Unidos, essa agência tem papel semelhante à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no Brasil.

De acordo com as últimas evidências sobre o uso do composto, a FDA alega que não é mais razoável acreditar que o produto possa ser efetivo tanto no tratamento quanto na prevenção da doença. Além disso, a agência explica não ser mais possível considerar que os potenciais benefícios do remédio superam os possíveis riscos do seu uso. "É improvável o uso das duas substâncias tenha um efeito antiviral contra COVID-19", afirma a organização.

Uso de cloroquina e hidroxicloroquina são revogados para o tratamento da COVID-19 nos EUA (Imagem: reprodução/ NIAID)
Uso de cloroquina e hidroxicloroquina são revogados para o tratamento da COVID-19 nos EUA (Imagem: reprodução/ NIAID)

Entenda a questão

Uma parcela dos pesquisadores observou que as propriedades anti-inflamatórias e antivirais do medicamento sugeriram que ele poderia ser eficaz no tratamento da COVID-19. Por isso, a FDA autorizou o uso de forma emergencial, em março. Em outras palavras, foi uma autorização para a emergência da pandemia e, mais estudos deveriam ser feitos para validar a decisão tardiamente.

Embora a cloroquina e a hidroxicloroquina possam neutralizar o coronavírus em experimentos de laboratório, a parcela de pesquisadores ainda não conseguiu provar seu valor em estudos com COVID-19 em humanos, onde o "experimento" não é em um ambiente controlado, como nas situações in vitro.

Após a decisão, as diretrizes de tratamento do governo dos Estados Unidos não recomendam o uso dos medicamentos para pacientes com COVID-19, fora do contexto de um estudo clínico. Além dos EUA, a França, a Itália e a Bélgica, no final do mês passado, interromperam o uso interno da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com o novo coronavírus.

No mundo todo, há cerca de 400 estudos listados para a investigação do uso da hidroxicloroquina e da cloroquina para pacientes com a doença, sendo que mais da metade deles ainda estão em andamento, de acordo com análise da empresa de pesquisa GlobalData. Em recente polêmica, um dos estudos que desencorajava o uso de hidroxicloroquina foi retirado do ar.

Fonte: Canaltech