Mercado abrirá em 1 h 55 min

FBI consegue acessar mensagens do WhatsApp em tempo real

·3 min de leitura
Um documento do FBI afirma que é particularmente fácil coletar dados do WhatsApp do Facebook e dos serviços iMessage da Apple. (REUTERS/Carlo Allegri) (REUTERS)
  • De acordo com a Rolling Stones, FBI consegue burlar a suposta privacidade do WhatsApp

  • Documento não levanta possibilidades de ataque hacker, mas não é claro no acesso do FBI

  • Entrega de dados pode prejudicar sigilo de conversas, como de jornalistas com fontes

Como a Apple e o WhatsApp se transformaram em gigantes multibilionários, eles o fizeram enquanto pregavam a importância da privacidade, especialmente quando se trata de mensagens seguras. E de acordo com a Rolling Stones, o FBI consegue ‘burlar’ essa ‘privacidade’.

Leia também

Um documento do FBI afirma que é particularmente fácil coletar dados do WhatsApp do Facebook e dos serviços iMessage da Apple, desde que o FBI tenha um mandado ou intimação. A julgar por este documento, “os aplicativos de mensagens criptografadas mais populares, iMessage e WhatsApp, também são os mais permissivos”, de acordo com Mallory Knodel, diretor de tecnologia do Centro de Democracia e Tecnolgia.

Mark Zuckerberg do Facebook articulou uma “visão focada na privacidade” construída em torno do WhatsApp, o serviço de mensagens mais popular do mundo. O CEO da Apple, Tim Cook, diz que a privacidade é um "direito humano básico" e que a Apple acredita em "dar ao usuário transparência e controle", uma filosofia que se estende ao aplicativo iMessage extremamente popular da empresa. Para jornalistas, ativistas e críticos do governo que se preocupam com a vigilância em massa do governo e a retaliação política, as ferramentas de mensagens seguras podem significar a diferença entre fazer seu trabalho com segurança ou enfrentar um perigo iminente.

Embora o documento do FBI não levante nenhuma dúvida sobre a capacidade dos aplicativos de impedir a entrada de hackers e bisbilhoteiros de aluguel, o documento descreve como as agências de cumprimento da lei têm várias vias legais para extrair dados confidenciais do usuário das ferramentas de mensagens seguras mais populares. O documento - intitulado "Acesso legal" e preparado em conjunto pelo Departamento de Ciência e Tecnologia e Divisão de Tecnologia Operacional - oferece uma janela para a capacidade do FBI de obter legalmente grandes quantidades de dados dos aplicativos de mensagens mais populares do mundo, muitos dos quais exageram o segurança e criptografia de seus serviços.

Entrega de dados pode prejudicar sigilo de conversas

O documento, datado de 7 de janeiro de 2021, é um guia interno do FBI para quais tipos de dados as agências de segurança estaduais e federais podem solicitar de nove dos maiores aplicativos de mensagens. Especialistas jurídicos e tecnólogos que analisaram o documento do FBI dizem que é raro obter informações tão detalhadas do ponto de vista do governo sobre o acesso da polícia aos serviços de mensagens. “Eu acompanho essas coisas de perto e trabalho nessas questões”, diz Andrew Crocker, advogado sênior da equipe de liberdades civis da Electronic Frontier Foundation. “Não acho que tenha visto essas informações apresentadas dessa forma, certamente não do ponto de vista da aplicação da lei.”

O WhatsApp é único na rapidez com que pode produzir dados para as agências de aplicação da lei em resposta a um chamado registrador de caneta - uma solicitação de vigilância que captura a origem e o destino de cada mensagem para um indivíduo-alvo. O WhatsApp produzirá certos metadados do usuário, embora não o conteúdo da mensagem real, a cada 15 minutos em resposta a um registro de caneta, diz o FBI. O guia do FBI explica que a maioria dos serviços de mensagens não faz ou não pode fazer isso e, em vez disso, fornece dados com uma defasagem e não em nada perto do tempo real: “Os dados de retorno fornecidos pelas empresas listadas abaixo, com exceção do WhatsApp, são na verdade logs de dados latentes que são fornecidos às autoridades em tempo não real e podem afetar as investigações devido a atrasos na entrega.”

Mesmo sem a capacidade de solicitar legalmente o conteúdo da mensagem do WhatsApp, no entanto, os metadados fornecidos pelo WhatsApp para a aplicação da lei capturam quais usuários conversam entre si, quando o fazem e quais outros usuários eles têm em sua lista de endereços. A entrega desses dados pode ter consequências graves para as pessoas que buscam mensagens realmente seguras e anônimas, como jornalistas que trabalham com uma fonte confidencial ou ativistas que enfrentam ameaças e punições governamentais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos