Mercado fechará em 1 h 33 min
  • BOVESPA

    107.861,36
    +1.002,49 (+0,94%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.644,09
    +38,53 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,64
    +3,15 (+4,53%)
     
  • OURO

    1.786,10
    +6,60 (+0,37%)
     
  • BTC-USD

    51.248,32
    +2.057,17 (+4,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.319,07
    -2,21 (-0,17%)
     
  • S&P500

    4.686,64
    +94,97 (+2,07%)
     
  • DOW JONES

    35.744,31
    +517,28 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.312,75
    +470,00 (+2,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3315
    -0,0921 (-1,43%)
     

FBI anuncia apoio a buscas por missionários sequestrados no Haiti

·4 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O FBI, polícia federal dos EUA, anunciou, nesta segunda-feira (18), que enviou para o Haiti um grupo de oficiais para auxiliar na investigação do sequestro de 16 americanos e 1 canadense, ocorrido no sábado (16), em Porto Príncipe. Entre as vítimas estão missionários e seus familiares, incluindo cinco crianças e seis mulheres.

Segundo a polícia local, o sequestro foi perpetrado pela gangue haitiana 400 Mawozo num momento em que os religiosos saíam de um orfanato, em direção ao aeroporto, onde o grupo se dividiria -parte seguiria para outras partes do país.

Em comunicado, a polícia federal americana não deu detalhes de como vai atuar nas buscas e na investigação, mas garantiu esforços para encontrar os reféns. "O FBI integra um esforço coordenado do governo dos EUA para proteger os americanos envolvidos [no sequestro]", se limita a dizer o texto.

Autoridades haitianas não comentaram oficialmente o caso, mas, na manhã desta segunda, o gabinete do primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, divulgou uma nota em que, sem citar o sequestro, nega a relação entre o governo e gangues armadas do país.

A organização americana Christian Aid Ministries, da qual os missionários fazem parte, publicou um comunicado pedindo orações. "Ao mesmo tempo que desejamos a libertação segura de nossos obreiros, também desejamos que os sequestradores sejam transformados pelo amor de Jesus, a única fonte verdadeira de paz, alegria e perdão", afirma o texto.

Em agosto, o governo dos Estados Unidos recomendou a seus cidadãos não viajar ao Haiti devido ao risco de sequestros e à instabilidade do país.

Com as crises políticas e econômicas cada vez mais acentuadas, esse tipo de crise se tornou uma ferramenta comum para grupos criminosos do Haiti conseguirem dinheiro. O ato do último sábado, entretanto, chama a atenção pelo que a imprensa chamou de ousadia, já que mirou um número grande de pessoas e quase todos americanos.

Cerca de 630 sequestros foram registrados nos primeiros três trimestres de 2021, contra 231 no mesmo período de 2020, segundo o Centro de Análise e Investigação em Direitos Humanos, em Porto Príncipe.

Nesta segunda, lojas e escolas de Porto Príncipe ficaram vazias, em meio a uma greve geral que já estava convocada, antes do sequestro, por empresários e trabalhadores da capital contra a insegurança na região. Os protestos foram liderados por profissionais da indústria do transporte, que estão entre as principais vítimas de sequestros de gangues.

Dono de um comércio de painéis solares, Diego Toussaint disse à agência de notícias Reuters que o país chegou ao fundo do poço. "Essa greve é nossa forma de dizer que não aguentamos mais. Nós vivemos com medo", afirmou.

Segundo ele, as vendas despencaram em meio a ameaças de sequestro e extorsão que agora assombram trabalhadores e proprietários de negócios. "Não podemos contar com o Estado como criador de empregos e somos obrigados a cuidar de nossa própria segurança."

Haitiano manifesta contra sequestros de gangues, em Porto Príncipe, no Haiti Valerie Baeriswyl - 17.10.21 / AFP Haitiano manifesta contra sequestros de gangues, em Porto Príncipe, no Haiti **** O Haiti -primeiro país da América Latina a se declarar independente, em 1804, mas acostumado a crises políticas e econômicas desde então- vive um de seus piores momentos.

Em julho, o presidente Jovenel Moïse, sob o qual recaíam acusações de autoritarismo, foi assassinado por mercenários -48 pessoas, incluindo 18 colombianos e 2 americanos de origem haitiana, foram presas. Em meio às investigações, o procurador-geral do país, Bed-Ford Claude, incluiu o primeiro-ministro na lista de suspeitos, após apontar relações entre o premiê e um dos principais suspeitos de envolvimento no assassinato.

Como resposta, Henry destituiu o procurador do cargo e acusou as autoridades de promoverem "manobras de distração para criar confusão e impedir que a Justiça faça seu trabalho com calma".

As eleições gerais, inicialmente programadas para setembro, foram postergadas para o final de 2022.

Além do assassinato do presidente, o Haiti viu sua situação social se agravar após um terremoto de magnitude 7,2 deixar mais de 2.200 pessoas mortas e cerca de 400 feridas em 14 de agosto.

O tremor, que atingiu com maior intensidade a parte sudoeste do país, abalou também a infraestrutura urbana. Mais de 130 mil casas tiveram a estrutura comprometida. Diante da espiral de problemas, o país virou símbolo da crise migratória na fronteira dos EUA, com milhares de haitianos em busca de refúgio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos