Mercado abrirá em 4 h 26 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,78
    +0,51 (+0,77%)
     
  • OURO

    1.869,90
    +2,30 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    45.328,84
    +91,27 (+0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.260,66
    +62,74 (+5,24%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.066,85
    +34,00 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.403,50
    +100,00 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

FB e Instagram vão alertar sobre riscos de tratamentos alternativos para COVID

Ramon de Souza
·1 minuto de leitura

O Facebook anunciou, nesta terça-feira (13), que tanto a sua rede social primária quanto o Instagram vão inserir “selos” em publicações que falem sobre métodos “alternativos” para tratar a COVID-19. O objetivo, segundo a companhia, é alertar os internautas a respeito da ineficácia e até mesmo (em casos mais graves) dos perigos que advém de adotar tais métodos de cura. A mensagem é clara e tem como fonte a própria Organização Mundial da Saúde (OMS): “Alguns tratamentos COVID-19 não aprovados podem causar danos graves”.

“Desde o início da pandemia causada pelo COVID-19, o Facebook tem trabalhado próximo às autoridades globais de saúde para conectar as pessoas com informações seguras e atualizadas sobre prevenção e vacinas”, afirma a empresa. “O Facebook continua a expandir a aplicação de medidas adicionando um novo rótulo a postagens no Facebook e Instagram que discutem alguns tratamentos para COVID-19, especialmente quando debatidos como alternativas à vacinação”, explica.

A rede social ressaltou também sua crescente parceria com agências de verificação de fatos, que rotulam fake news nas plataformas e diminuem o seu alcance orgânico. Já publicações contendo alegações comprovadamente falsas a respeito da doença (como teorias da conspiração e o argumento que “é mais seguro contrair COVID-19 do que tomar a vacina”) são eliminados imediatamente dos serviços. Segundo o Facebook, desde o início da pandemia, mais de 16 milhões de conteúdos foram removidos por conter desinformação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: