Mercado abrirá em 2 h 12 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,87
    +0,82 (+1,26%)
     
  • OURO

    1.698,90
    +20,90 (+1,25%)
     
  • BTC-USD

    54.036,63
    +4.144,95 (+8,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.091,72
    +67,52 (+6,59%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.753,84
    +34,71 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.559,25
    +262,00 (+2,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Faxineiro adotado conclui faculdade de direito em Minas Gerais

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Os juízes Afonso José de Andrade e Wagner de Oliveira Cavalieri (à esq), Samuel e o pai dele, José Inácio Gomes

O estudante Samuel Santos da Silva se formou em direito pela PUC Minas depois de uma série de provações até chegar à faculdade. Adotado após a mãe desaparecer, trabalhou como faxineiro no Fórum de Contagem (MG) e foi apadrinhado por juízes para concluir a faculdade.

“Eu pensava ‘eu vou entrar lá, nem que seja pela vassoura’”, disse Samuel em entrevista ao portal G1. Semanas depois de começar a trabalhar na faxina, Samuel acabou participando de uma conversa informal sobre questões do direito com o juiz Wagner Cavalieri, da Vara de Execuções Criminais, que costumava promover estes pequenos debates ao parar para um café. Pouco depois, o magistrado decidiu, junto com outros colegas, a bancar a faculdade do rapaz.

Leia também:

Samuel havia trancado o curso de direito após frequentar o 1º período, já que não tinha condições de pagar a mensalidade de mais de R$ 1 mil. Com o apadrinhamento dos magistrados do Fórum de Contagem que descobriram o interesse do então faxineiro pelo direito, ele conseguiu concluir o curso em cinco anos.

“Eu sempre tive esse sonho do direito. Já vendi picolé, fui servente de pedreiro, auxiliar administrativo. Eu tenho orgulho e uma gratidão imensa pelas pessoas que me ajudar a estudar”, disse Samuel, que também contou com a ajuda da família adotiva.

Samuel saiu de São Paulo rumo a Belo Horizonte ainda criança com a mãe biológica. Chegando na cidade, ele se perdeu, chegou dormir na rua e a passar fome. Ao reencontrar a mãe, seguiram para Contagem até a casa dos padrinhos de casamento dela. Lá, eles perceberam que a mulher sofria de problemas mentais e decidiram cuidar de Samuel. Em seguida, ela desapareceu.

O casal que o adotou, um marceneiro e uma faxineira, tinha outros 11 filhos. Apenas Samuel e uma irmã conseguiram se formar em uma faculdade. Anos depois, ele se reencontrou com a mãe biológica, hoje internada em uma casa de repouso.

Depois de se formar, ele fez pós-graduação na Universidade de São Paulo (USP) e hoje, acumula horas como estagiário na Procuradoria-Geral do Município de Contagem. O objetivo agora é prestar um concurso público para magistratura.

“Quando eu tive que trancar a faculdade, pensava, ‘meu Deus, eu só quero estudar’. E a ajuda veio. Eu tive que me empenhar para honrar essa confiança. Agora é melhorar sempre”, disse ele ao G1.