Mercado abrirá em 7 h 22 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,74
    +1,48 (+2,23%)
     
  • OURO

    1.784,40
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    49.195,42
    +166,82 (+0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.267,13
    -174,63 (-12,11%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.466,39
    -300,30 (-1,26%)
     
  • NIKKEI

    27.905,39
    -124,18 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    15.740,25
    +22,50 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3822
    -0,0131 (-0,20%)
     

Favelas do G10 estão mais conectadas e consomem cada vez mais streaming

·3 min de leitura

O G10, bloco das favelas com maior expressão econômica do país, tem potencial de consumo de R$ 9,9 bilhões. Os compradores dessas comunidades são relevantes para mercados que vão de contas em bancos digitais a streaming.

Agora, um levantamento do instituto de pesquisa Outdoor Social Inteligência, voltado para a classe C, aponta que os moradores das favelas do G10 estão cada vez mais conectados. A pesquisa ouviu 435 pessoas nas cinco regiões do Brasil por meio de pesquisa telefônica.

Entre os entrevistados, 62% têm internet em casa. Desses, 39% contrataram provedores locais que oferecem cobertura dentro da favela. O tíquete médio nacional para os gastos com internet nessas localidades é de R$ 101,78 mensais.

Imagem: Reprodução/Pixabay/Fancycrave1
Imagem: Reprodução/Pixabay/Fancycrave1

Um dos principais motivos para o uso da internet é o acesso às redes sociais, principalmente entre jovens de 18 a 34 anos. Nessa faixa etária, 47% dos participantes do levantamento usam a rede majoritariamente para frequentar as mídias sociais.

A leitura de notícias também ocorre nesses aplicativos para 62% dos ouvidos na pesquisa. O WhatsApp é quase unânime: 98% dos entrevistados o utilizam como principal meio de comunicação. Outras mídias populares são o Facebook (85%) e o Instagram (72%). As novatas já atraem público: TikTok tem 26% e Kwai 20%.

Apesar do uso crescente da internet, mais da metade do grupo ainda utiliza a TV: cerca de 57% assistem a novelas e telejornais enquanto 30% preferem as séries. "A pesquisa mostra que o consumo da favela é muito similar ao de outras regiões da cidade", aponta Emília Rabello, fundadora do Outdoor Social Inteligência.

Ela destaca que, com isso, essa população se afirma como potência econômica e público consumidor de diversas marcas. “A favela está cada vez mais conectada pela internet, o que diminui distâncias geográficas e permite acompanhar tendências culturais, tecnológicas e de lazer”, ressalta.

Uso do celular e lazer

Segundo a pesquisa, o uso do celular para fazer ligações está deixando de ser um hábito entre usuários com ensino superior completo: 46% informam que usam mais a internet no dispositivo. No levantamento, 22% dos participantes tinham ensino superior completo, 53% ensino médio e 23% ensino fundamental.

O celular também é um parceiro de negócios para 28% dos entrevistados, que o utilizam como fonte de renda. Micro e pequenos comerciantes são 18% dos que usam o recurso para vendas. Levantamento de julho indica que existem mais de 15 mil comércios com CNPJ nas favelas do G10.

Nessas comunidades, a internet também é utilizada para lazer. Entre os assinantes de streaming de vídeo, 75% têm Netflix, 33% assinam o YouTube Premium, 27% têm Amazon Prime, 23% usam o GloboPlay e 7% assinam a Disney. Outras marcas citadas foram Paramount+ (2%), PopcornFlix (2%), HBO Max (1%) e Apple TV (1%). O gasto médio nacional é R$ 51 por mês.

Arte: Reprodução/Canaltech/Matheus Bigogno
Arte: Reprodução/Canaltech/Matheus Bigogno

Os entrevistados também usam streamings de música, com preferência pelo Spotify: se fossem ouvir apenas uma plataforma, 40% optariam por ele. Outros 20% escolhem o YouTube Music, 10% o Google Play Música, 6% o Deezer e 3% o Apple Music. Além disso, 77% usam versões gratuitas.

O consumo de jogos eletrônicos também aparece nas favelas brasileiras. Entre os preferidos, 35% escolheriam o Free Fire se só pudessem jogar um título. Os fãs do Fortnite têm a mesma porcentagem. Outros 24% preferem o Crossfire e 6% escolheriam o Subway Surfers.

Games de ação e aventura são preferidos por 41% dos entrevistados. Em segundo lugar vêm os Role Playing Games (RPG), consumidos por 18% dos entrevistados, o mesmo porcentual que prefere títulos de esportes. Jogos de estratégia são escolhidos por 6% dos participantes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos