Mercado abrirá em 9 h 51 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,53
    -0,55 (-0,83%)
     
  • OURO

    1.819,40
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    50.046,30
    -7.085,86 (-12,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.373,33
    -190,51 (-12,18%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    28.037,92
    -193,12 (-0,68%)
     
  • NIKKEI

    27.628,73
    -518,78 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    13.061,50
    +63,00 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4098
    +0,0043 (+0,07%)
     

Fauci prevê que uso da vacina da Johnson & Johnson será retomado

·1 minuto de leitura

WASHINGTON (Reuters) - Anthony Fauci previu neste domingo que os órgãos reguladores dos EUA encerrarão a pausa temporária na distribuição da vacina da Johnson & Johnson contra a Covid-19 e acrescentou que espera uma decisão até a próxima sexta-feira.

“Minha estimativa é que continuaremos a usá-la de alguma maneira. Duvido muito que eles simplesmente a proíbam. Eu não acho que isso acontecerá. Acho que provavelmente haverá algum tipo de alerta ou restrição ou avaliação de risco”, disse Fauci em entrevista ao programa “Meet the Press” da emissora norte-americana NBC.

Órgãos reguladores dos EUA recomendaram semana passada que o uso da vacina da Jonhson & Johnson fosse paralisado após relatos de seis casos raros coágulos de sangue em mulheres, entre aproximadamente sete milhões de pessoas que receberam a vacina nos Estados Unidos.

O painel do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, sigla em inglês) deve se reunir em 23 de abril para discutir os próximos passos da vacina.

Fauci, considerado o mais importante especialista em doenças infecciosas do país, afirmou que não sabe qual será a decisão final, mas prevê que haverá uma retomada do uso da vacina.

(Reportagem de Sarah N. Lynch)