Mercado fechado

Receita da mineração do país cresce 36% em 2020; Ibram alerta para preços em 2021

·2 minuto de leitura
Operação de descarregamento de minério de ferro na China

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O faturamento da indústria de mineração no Brasil somou 209 bilhões de reais em 2020, alta de 36% ante o ano anterior, impulsionado principalmente pela desvalorização do real frente ao dólar e alta nos preços de commodities, apontaram dados do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) nesta terça-feira.

No quarto trimestre, o faturamento cresceu 63,6% em relação ao trimestre anterior, para 83 bilhões de reais.

A produção mineral comercializada, por sua vez, registrou 1,009 bilhão de toneladas no ano passado, alta de apenas 2,4% em relação a 2019, segundo dados do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram).

"Tivemos um ano que fecha com números extremamente positivos, certamente muito impactados pela variação de preços de algumas importantes commodities que o Brasil participa no mercado internacional, como também a própria situação do real perante o dólar, em função da desvalorização que nós vivenciamos", disse o presidente do conselho deliberativo do Ibram, Wilson Brumer.

O executivo pontuou que 2021 pode não repetir o cenário de 2020 em relação a preços, podendo ocasionar em uma queda no faturamento.

"Houve aumento substancial de preços no ano passado... Não acho que volte aos preços do início da pandemia... Eu acho que os preços vão se manter menores do que no ano passado, mas não substancialmente menores", afirmou.

O mesmo efeito pode ser visto no comércio exterior, destacou o executivo.

As exportações do setor mineral cresceram 2,5%, para 371 milhões de toneladas em 2020, enquanto o faturamento das vendas externas subiu mais de 10%, para 37 bilhões de dólares.

No caso apenas do minério de ferro, as exportações avançaram 0,3% em volume, para 342 milhões de toneladas, enquanto o faturamento subiu 16%, para 26 bilhões de dólares.

MAIS INVESTIMENTOS

Durante coletiva de imprensa em videoconferência para falar sobre os resultados de 2020, o executivo destacou que o setor mineral "continua confiante" do crescimento de investimentos, embora defenda reformas estruturais que permitam maior atração de investidores.

O Ibram elevou a previsão de aportes do setor mineral para o período 2020-2024 para 38 bilhões de dólares, ante previsão anterior no fim do terceiro trimestre, de 37,1 bilhões de dólares. No início do ano, a previsão de investimentos para esse período era de 34,5 bilhões de dólares.

"O setor continua acreditando no desenvolvimento da mineração no Brasil, apesar dos vários desafios que temos ainda a enfrentar", disse Brumer.

O executivo pontuou que o montante previsto considera melhorias na segurança operacional de barragens.

(Por Marta Nogueira)