Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,38 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,96
    -0,15 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.779,30
    +2,60 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    23.446,29
    -575,19 (-2,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,55
    -15,27 (-2,67%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,69 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.515,75
    -20,31 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    19.794,09
    -128,36 (-0,64%)
     
  • NIKKEI

    28.976,34
    -246,43 (-0,84%)
     
  • NASDAQ

    13.470,00
    -23,25 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2651
    +0,0059 (+0,11%)
     

Faturamento do e-commerce no Brasil sobe 104% na pandemia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Faturamento do varejo eletrônico no Brasil mais que dobrou no segundo trimestre de 2020. (Foto: Getty Images)
Faturamento do varejo eletrônico no Brasil mais que dobrou no segundo trimestre de 2020. (Foto: Getty Images)

O faturamento do comércio eletrônico brasileiro no segundo trimestre de 2020 mais que dobrou em relação ao ano passado, tudo por conta do aumento do consumo digital após as medidas de isolamento social impostas pela pandemia do novo coronavírus. Os números são da empresa de inteligência de mercado Neotrust/Compre&Confie, reproduzidos pela Exame.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Segundo levantamento da empresa, no segundo trimestre de 2020 o faturamento do e-commerce no Brasil aumentou 104% em relação ao mesmo período de 2019. Foram R$ 33 bilhões este ano, contra R$ 16 bilhões no ano passado.

Leia também

Em entrevista à Exame, André Dias, diretor executivo da Neotrust/Compre&Confie, destaca o aumento da participação do comércio eletrônico nas vendas totais do varejo: “Antes, as vendas pela internet representavam cerca de 5% do total do varejo. Em abril essa proporção chegou a 11%, e em maio chegou a 13%. É um momento histórico para o varejo online”, disse Dias à revista.

Segundo os números levantados pela Neotrust/Compre&Confie, puxou a alta o setor de alimentos e bebidas, com alta de 241%. Outros itens domésticos, como de cama, mesa e banho, também tiveram alta expressiva, de 236%.

Para o diretor da empresa de inteligência, esses números mostram que o consumidor, em meio à pandemia, se mostrou mais disposto a deixar a “zona de conforto” da compra de bens duráveis pela internet, e explorar outros itens de consumo mais rápido, também.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos