Mercado abrirá em 1 h 28 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,93
    +1,18 (+1,97%)
     
  • OURO

    1.722,80
    -10,80 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    51.662,82
    +2.621,77 (+5,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.032,18
    +44,09 (+4,46%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.673,80
    +60,05 (+0,91%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.144,75
    +89,50 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8561
    -0,0060 (-0,09%)
     

Fatores temporários mantiveram inflação da zona do euro mais elevada durante lockdowns, diz BCE

·1 minuto de leitura
Fatores temporários mantiveram inflação da zona do euro mais elevada durante lockdowns, diz BCE

FRANKFURT (Reuters) - A inflação na zona do euro provavelmente foi mantida mais elevada por fatores temporários durante os lockdowns do ano passado, já que alguns bens ficaram difíceis de conseguir e empresários hesitantes adiaram o corte de preços, mostrou um estudo do Banco Central Europeu nesta segunda-feira.

Os autores concluíram que é importante para as autoridades do BCE filtrar esses e outros fatores relacionados à oferta de bens e serviços para se concentrar em como a pandemia estava deprimindo a demanda, reforçando a necessidade de estímulo.

A inflação na zona do euro desacelerou fortemente em março, mas os preços só começaram a cair em agosto. A inflação permaneceu em território negativo até o final do ano, antes de provavelmente se recuperar em janeiro, quando alguns cortes de impostos expiraram.

O estudo do BCE descobriu que essa reação tardia pode ser devido a fatores como interrupção do fornecimento, uma relutância inicial em oferecer descontos e a dificuldade de adivinhar o preço de bens que não estavam mais à venda, como pacotes de férias.

"Evidências recentes do impacto dos lockdowns iniciais sugerem que os efeitos de oferta associados exerceram pressão de alta sobre a inflação de certo modo", disseram os autores Derry O’Brien, Clémence Dumoncel e Eduardo Gonçalves. "Os lockdowns também apresentaram dificuldades de coleta de preços para os estatísticos."

(Por Francesco Canepa)