Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,54
    +0,16 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.771,60
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    55.724,98
    -817,03 (-1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.258,14
    -40,82 (-3,14%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.917,50
    +20,25 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6791
    +0,0034 (+0,05%)
     

Fatiar Eletrobras inviabilizaria privatização neste governo, diz secretário Diogo Mac

·1 minuto de leitura
Logo da Eletrobras em tela na bolsa de valores de Nova York, EUA

SÃO PAULO (Reuters) - O modelo proposto pelo governo ao Congresso para privatização da Eletrobras foi defendido nesta quarta-feira pelo secretário especial de Desestatização, Diogo Mac Cord, após notícias de que o relator de medida provisória sobre a operação na Câmara poderia apresentar um novo texto.

Em entrevistas recentes, o deputado Elmar Nascimento (DEM-BA) disse que avalia um modelo alternativo para a desestatização que envolveria uma reestruturação de ativos da estatal e a venda integral de três subsidiárias -- Eletronorte, Furnas e Chesf.

A MP do governo prevê a privatização por meio de oferta de novas ações da Eletrobras que reduziria a fatia da União a uma posição minoritária. A companhia se tornaria uma corporação, sem controlador definido. Em troca, haveria um pagamento de outorga de 25 bilhões de reais ao governo, que atribuiria novos e mais vantajosos contratos à empresa.

"É o modelo ideal, ele tende a ser aprovado pelo Congresso, a gente já viu inclusive manifestação do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), apoiando, de vários parlamentares apoiando", disse Mac Cord, durante transmissão ao vivo da Faculdade FISUL.

"A Eletrobras já é uma empresa listada, então fazer um follow-on, uma oferta primária, é algo muito fácil. Ao passo que um spin-off de algumas subsidiárias, ainda mais com a distribuição de ativos e passivos tão complexos como os da holding, isso inviabilizaria isso nesse mandato."

Ele defendeu também que esse modelo permitiria ao governo uma maior captura de valor, por ser o melhor avaliado pelo mercado financeiro.

Mais cedo, o secretário comentou que a Eletrobras aproveita diversos ganhos de escala por seu tamanho, o que ainda a torna mais atrativa para investidores se desestatizada de acordo com a proposta atual.

(Por Luciano Costa)