Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.966,69
    +172,37 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Farmacêutica alemã CureVac aposta em vacina "mais fácil" contra covid-19

Michelle FITZPATRICK
·3 minuto de leitura
O CEO da CureVac, Fanz-Werner Haas

A empresa farmacêutica alemã CureVac admite que está "um pouco atrasada" em relação às concorrentes Moderna e Pfizer/BioNTech, mas seu diretor espera desenvolver uma vacina contra a covid-19 mais fácil de armazenar.

"Há uma corrida, mas uma corrida contra o vírus", disse em uma entrevista à AFP Franz-Werner Haas, CEO da empresa de biotecnologia.

A CureVac anunciou na segunda-feira o início da terceira e última fase de testes clínicos em larga escala da vacina contra a covid-19.

Assim como os produtos desenvolvidos pela Pfizer/BioNTech e a empresa Moderna, o laboratório trabalha com a inovadora tecnologia de RNA mensageiro (RNAm).

Os primeiros resultados dos testes são aguardados para o primeiro trimestre de 2021, anunciou Haas, de 50 anos, na sede da CureVac em Tübingen, sudoeste da Alemanha.

A vacina BioNTech/Pfizer, que já foi aprovada em vários países, é utilizada desde o início de dezembro no Reino Unido, Estados Unidos e Canadá. 

A vacina da Moderna deve ser autorizada em breve nos Estados Unidos.

"Chegamos um pouco tarde", admite Haas, o que segundo ele tem "vantagens e desvantagens".

- Armazenamento mais fácil -

Uma característica da vacina CureVac é que utiliza um RNA mensageiro natural, não modificado, para desencadear uma resposta imunológica.

A consequência é que esta vacina pode permanecer estável durante ao menos três meses na temperatura da geladeira, o que torna "mais fácil" seu uso, por exemplo, em casas de repouso, ou em consultas médicas, segundo Haas.

A vacina BioNTech deve ser armazenada a -70ºC, e a vacina da Moderna, a -20ºC.

De acordo com a CureVac, seu produto também precisaria de uma dose muito menor, de apenas 12 microgramas, contra os 30 microgramas para a BioNTech e 100 microgramas para a Moderna, o que permitiria uma produção em larga escala mais rápida.

Haas considera "fantástico" que seus dois principais concorrentes tenham demonstrado que suas vacinas têm eficácia e segurança de quase 95%. Ele disse que "também podemos fazer". 

Ele destaca que, para conter a pandemia que matou mais de 1,6 milhão de pessoas desde o fim de 2019, serão necessárias vacinas diferentes para ter as quantidades suficientes.

Em março, a empresa se viu envolvida em uma polêmica pelos boatos de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, exigia a exclusividade da futura vacina da CureVac para o mercado americano. 

As acusações nunca foram confirmadas, mas levaram o ministro da Economia, Peter Altmaier, a declarar que "a Alemanha não está à venda".

Até o momento, o maior pedido veio da União Europeia (UE), para 405 milhões de doses. O governo dos Estados Unidos ainda não falou oficialmente sobre uma encomenda.

A "polêmica não é a melhor recordação", admite Haas, que recorda protestos diante da sede da empresa e pedidos para que não fosse vendida aos Estados Unidos.  

- Inovações futuras -

Fundada no ano 2000, a CureVac tem o apoio do bilionário alemão Dietmar Hopp, acionista majoritário da empresa, também cofundador da gigante do software SAP e presidente do clube de futebol Hoffenheim.

O fundador da farmacêutica, Ingmar Hoerr, é um pioneiro da pesquisa do RNA mensageiro, uma tecnologia que ganhou impulso com a covid-19. 

"O que está sendo construído agora (graças ao RNAm) está aqui para ficar", disse Haas. 

A CureVac também trabalha no desenvolvimento de uma vacina contra a malária com a Fundação Gates e, no início do ano, recebeu dados "muito bons" sobre uma possível vacina contra a raiva.

O CEO do Tesla Group, Elon Musk, também se associou com a CureVac para construir "microfábricas de RNAm" móveis.

Em junho, o governo alemão pagou 300 milhões de euros para adquirir uma participação de 23% no laboratório, ao qual adicionou um subsídio de 252 milhões de euros para as pesquisas sobre o novo coronavírus.

mfp/dac/smk/plh/pc/zm/fp/tt