Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.167,74
    -117,13 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

'Faraó dos Bitcoins' sul-africano é preso em Góias

·2 min de leitura
Johann Steynberg
Johann Steynberg
  • Johann Steynberg foi preso após roubar 29 mil bitcoins, equivalente a R$ 6,7 bilhões

  • O sul-africano estava foragido desde setembro de 2020

  • Dinheiro ainda não foi localizado pelas autoridades

Após um ano foragido, o sul-africano Johann Steynberg, foi preso na região de Alto da Glória em Goiânia (GO), pelo Grupamento de Intervenções Rápidas Ostensivas (Giro), da Polícia Militar de Goiás.

Johann Steynberg estava na lista de procurados da Interpol por ser acusado de orquestrar um esquema de pirâmide financeira que prometia 10% de lucros para os investidores.

Leia também:

O golpe financeiro

Através de sua empresa, Mirror Trading International (MTI), desde 2018 ele captava dinheiro de clientes para investir no mercado financeiro e em criptoativos, em especial o Bitcoin.

Quando não conseguiu mais pagar os seus clientes em setembro de 2020, Steynberg começou a culpar hackers pelos atrasos nas transações e fugiu do país em direção ao Brasil, onde chegou em São Paulo no dia 14 de dezembro.

Segundo estimativas, foram roubadas 29 mil bitcoins de seus clientes, o que equivale na cotação atual a R$ 6,7 bilhões

Apreensão e prisão

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de Goiás, o suspeito foi posto sob monitoramento após uma denúncia de que ele se encontrava escondido em Goiânia. Após isso ele foi entregue à polícia federal.

“Após um intenso trabalho de identificação e acompanhamento, e com o auxílio de informações repassadas pela Polícia Federal, foi possível identificar e abordar o suspeito, que apresentava documento falso no momento da abordagem.”, diz o comunicado da PM.

Batalha judicial

Uma grande contenda judicial ainda está por vir graças aos crimes de Steynburg

Após seu sumiço, os investidores entraram com uma ação coletiva para reaver o dinheiro através da liquidação de ativos da empresa. A audiência foi marcada para março de 2022 pela juíza Alma de Wet.

O dinheiro da empresa, no entanto, não foi localizado. Após ter sido banida da plataforma que utilizava para negociações, a MTI afirmou ter transferido os fundos para uma nova corretora, que nega ter recebido os fundos.

A empresa de inteligência de blockchain Chainalysis descobriu carteiras ligadas à MTI e viu que ela estava lavando o dinheiro através de um site de jogos de azar para depois sacar os fundos.

Segundo a Chainalysis, a MTI recebeu cerca de R$ 3,3 bilhões em bitcoin desta forma.

“Mirror Trading International é outro exemplo de por que a indústria deve espalhar a palavra de que as plataformas de negociação algorítmica que prometem retornos altos irrealistas quase sempre são fraudes”, disse a Chainalysis em sua investigação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos