Mercado fechará em 3 h 16 min
  • BOVESPA

    101.233,79
    -25,96 (-0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.357,57
    -350,15 (-0,90%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,47
    -1,38 (-3,46%)
     
  • OURO

    1.905,00
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    13.022,99
    -54,03 (-0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,16
    -3,26 (-1,24%)
     
  • S&P500

    3.393,70
    -71,69 (-2,07%)
     
  • DOW JONES

    27.634,86
    -700,71 (-2,47%)
     
  • FTSE

    5.818,98
    -41,30 (-0,70%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.464,00
    -199,50 (-1,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6479
    -0,0160 (-0,24%)
     

Famosa pelos pratos marrons, Duralex pede recuperação judicial

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Patrício Taborda de Figueiredo, CEO da Nadir Figueiredo. (Foto: Karime Xavier/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Patrício Taborda de Figueiredo, CEO da Nadir Figueiredo. (Foto: Karime Xavier/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A francesa Duralex, conhecida por seus vidros temperados exportados para diversos países, entrou em recuperação judicial. No Brasil, a marca é lembrada pelos pratos, copos e vasilhas em tom escuro, quase marrom.

A decisão foi confirmada pelo tribunal de comércio da cidade de Órleans, na França, na quarta-feira (23). Antes, segundo o jornal Le Monde, houve um período de observação de seis meses.

A sede da empresa fica na cidade de La Chapelle-Saint-Mesmin, no estado francês de Loiret. Antoine Ioannidès, presidente da Duralex, disse que os 248 funcionários continuarão trabalhando e recebendo seus salários.

Em comunicado encaminhado aos funcionários, a empresa afirmou que as dívidas foram congeladas no dia da abertura do procedimento de recuperação judicial. "Depois que os representantes legais fizerem o levantamento de todos os créditos, a empresa terá como apresentar o plano de recuperação", disse a Duralex, na nota.

A empresa vinha sofrendo com grandes problemas de caixa desde que precisou reduzir, por mais de um ano, sua produção devido a um problema em um forno em 2017.

No Brasil, a marca Duralex pertence à Nadir Figueiredo desde 2011, quando a fabricante brasileira comprou a Santa Marina e incorporou, além da própria Duralex, a Marinex. Em 2019, a Nadir foi comprada por uma gestora de fundos americana, a HIG Capital.

A recuperação judicial da fábrica francesa não terá efeitos no Brasil, informou à Folha de S.Paulo a Nadir Figueiredo.

"A marca Duralex na América do Sul pertence à Nadir Figueiredo, empresa brasileira consolidada há mais de 108 anos no mercado", disse, em nota. "Os produtos da marca Duralex como os pratos, xícaras e a linda linha de mesa Duralex Opaline continuarão trazendo beleza à mesa dos consumidores."