Mercado abrirá em 1 h 37 min

Famílias de garotos desaparecidos no Rio reclamam de “trotes” sobre paradeiro das crianças

·2 minuto de leitura
Lucas Matheus, 8 anos; Alexandre da Silva, 10 anos; e Fernando Henrique, 11 anos, desapareceram no domingo (27) — Foto: Reprodução/TV Globo
Lucas Matheus, 8 anos; Alexandre da Silva, 10 anos; e Fernando Henrique, 11 anos, desapareceram no domingo (27) — Foto: Reprodução/TV Globo

Familiares das três crianças desaparecidas em Belford Roxo, no Rio de Janeiro, no último domingo, estão recebendo denúncias falsas sobre o paradeiro delas. Não bastasse a dor pelo sumiço dos garotos, eles vêm sendo importunados por “trotes”, conforme relataram ao G1.

Lucas Matheus, de oito anos, seu primo Alexandre, 10, e Fernando Henrique, 11, estão desaparecidos desde domingo, quando saíram para jogar bola no campo de futebol ao lado do condomínio em que vivem, no bairro Castelar.

Leia também

Os garotos costumavam brincar sozinhos e voltar para casa por volta das 14 horas, o que não aconteceu no fim de semana. Preocupadas, as famílias prestaram depoimento à Polícia Civil, que iniciou as buscas pelas crianças.

Familiares também divulgaram fotos dos garotos nas redes sociais, o que, segundo a mãe de Alexandre, acabou sendo prejudicial. Ela revelou que tem recebido dezenas de ligações com informações falsas sobre o paradeiro de seu filho.

“Depois que postamos nas redes sociais as fotos dos meninos, muita gente ligou dizendo que eles foram vistos andando pelas ruas de Belford Roxo, de Cabuçu (Nova Iguaçu), que estavam pedindo comida na rua. Mas quando chegamos a esses locais, não conseguimos nenhuma pista”, declarou. "Rodamos tudo, e nada. Ficam passando trote dizendo que eles estão em tal lugar, a gente vai correndo, chega lá e nada, nada.”

Tia de Lucas Matheus, Ednalda também reclamou das informações falsas. Uma mais recente fez com que os familiares se deslocassem à Barra da Tijuca na esperança de encontrar os garotos.

"Falaram que eles estavam na Barra, foram atrás deles, mas não estavam. Mandaram uma foto pensando que eram eles, mas, chegando lá, eram outras crianças", contou.