Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,78
    -0,37 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.739,10
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    63.206,63
    -146,59 (-0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.372,06
    -3,71 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.721,11
    +100,12 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    13.828,25
    +29,50 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7753
    +0,0024 (+0,04%)
     

Famílias dos EUA economizam cheques de estímulo, diz Fed de NY

Alexandre Tanzi
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Consumidores dos Estados Unidos têm investido 42 centavos de cada dólar recebido com a terceira rodada de cheques de estímulo enviados em março, segundo nova pesquisa do Federal Reserve Bank de Nova York.

Menos de 25% dos recursos estão sendo gastos, e o restante tem sido usado para pagar dívidas, de acordo com dados da pesquisa do Fed de Nova York publicada na quarta-feira.

Adultos e crianças elegíveis começaram a receber cheques de estímulo de US$ 1.400 no mês passado sob o Plano de Resgate Americano. As famílias pesquisadas receberam US$ 3.162, em média, disse o Fed de Nova York. Os entrevistados disseram que 13% dos fundos seriam gastos em itens essenciais, em média, e 8% em itens não essenciais.

Nas rodadas anteriores de estímulo, as famílias gastaram uma quantia maior dos recursos para cobrir despesas diárias, segundo a pesquisa do Fed de Nova York.

Cerca de 29% dos fundos desembolsados na rodada inicial de cheques no segundo trimestre do ano passado sob a Lei de Ajuda, Socorro e Segurança Econômica do Coronavírus foram gastos, contra cerca de 26% dos desembolsos autorizados pela Lei de Dotações Suplementares de Resposta e Alívio ao Coronavírus em dezembro.

Os resultados mostram necessidades divergentes enfrentadas pelas famílias, e muitas continuam com alto grau de incerteza, pois a maior parte dos despejos está suspensa e hipotecas agora têm prazo maior para pagamento sob acordos de tolerância.

O nível de desemprego continua alto, mas, entre os que continuam trabalhando, o estímulo extra é destinado principalmente para melhorar os balanços. A taxa de poupança doméstica permanece muito elevada, ao contrário do consumo, e as famílias têm pagado despesas no cartão de crédito em ritmo recorde.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.