Mercado fechará em 10 mins
  • BOVESPA

    119.494,49
    -69,95 (-0,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.960,00
    +560,20 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,79
    -0,84 (-1,28%)
     
  • OURO

    1.814,90
    +30,60 (+1,71%)
     
  • BTC-USD

    56.021,85
    -1.153,19 (-2,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.456,41
    -15,00 (-1,02%)
     
  • S&P500

    4.195,23
    +27,64 (+0,66%)
     
  • DOW JONES

    34.508,94
    +278,60 (+0,81%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.548,00
    +57,00 (+0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3721
    -0,0548 (-0,85%)
     

Famílias com dívidas em atraso crescem para 67,3% em abril

Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

A parcela de famílias com dívidas em atraso ou não cresceu no país em abril deste ano para 67,5%. Em março, o percentual era de 67,3%. Os dados foram divulgados hoje (4) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O resultado de abril deste ano é o mais alto desde agosto de 2020, quando também registrou-se um percentual de 67,5%.

Já o percentual de inadimplentes, isto é, aqueles que têm dívidas ou contas em atraso, caiu de abril do ano passado de 25,3% e março deste ano, de 24,4%, para 24,2% em abril deste ano. Essa é a menor taxa desde fevereiro do ano passado, portanto, período pré-pandemia, de 24,1%.

A parcela de famílias que não terão condições de pagar suas dívidas ficou em 10,4% em abril deste ano, abaixo dos 10,5% de março deste ano mas acima dos 9,9% de abril do ano passado.

O tempo médio de comprometimento com dívidas entre as famílias foi de 6,8 meses em abril. O tempo médio de atraso na quitação das dívidas pelos inadimplentes está em queda desde dezembro e atingiu 61,4 dias em abril, o menor prazo desde julho de 2020.

O percentual das famílias que utilizam o cartão de crédito como principal modalidade de dívida voltou a crescer e chegou a um novo recorde de 80,9% do total de famílias, segundo a CNC.