Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.356,09
    -335,43 (-0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Famílias brancas gastam quase o dobro com lazer do que pretas ou pardas

·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - As famílias chefiadas por brancos gastaram quase o dobro com lazer e viagens do que famílias com responsáveis pretos ou pardos em período pré-pandemia. Essa é uma das conclusões do novo recorte da POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares) 2017-2018, divulgado nesta quinta-feira (19) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Nas famílias chefiadas por brancos, a despesa média mensal por pessoa com viagens e lazer foi de R$ 34,41 entre 2017 e 2018. Enquanto isso, nas famílias com pessoas de referência pretas ou pardas, o valor foi de R$ 18,35.

O detalhamento do estudo também sinaliza que os gastos com lazer e viagens variam conforme o sexo da pessoa de referência. Em famílias chefiadas por mulheres, a despesa mensal por pessoa (R$ 18,12) foi a metade em relação àquelas cujos responsáveis eram homens (R$ 35,80).

Também há diferenças no recorte por renda e escolaridade. Nas famílias que integravam a parcela dos 10% mais ricos da população, as despesas mensais com lazer e viagem chegaram a R$ 26,43 por pessoa. Enquanto isso, a despesa foi de apenas R$ 0,84 nas famílias que integravam os 10% com os menores rendimentos.

Entre as famílias com pessoas de referência com curso superior completo, o valor foi de R$ 27,08. Naquelas em que o chefe não tinha instrução, a marca foi de R$ 1,07.

"O que pode explicar todas essas as diferenças é a desigualdade de rendimento das famílias, que varia conforme o nível de instrução, a formalização e a composição familiar. Em famílias com renda disponível para gastos além do essencial é maior a despesa com lazer e viagem", afirmou Luciana Alves dos Santos, analista da pesquisa do IBGE.

A POF também traz a avaliação subjetiva das famílias sobre o padrão de lazer. Segundo o IBGE, 35,1% dos brasileiros pertenciam a famílias que avaliaram como bom seu padrão de vida em relação à qualidade dos serviços públicos e privados de lazer aos quais os membros tiveram acesso. Já 30,7% consideraram esse aspecto como satisfatório. A avaliação ruim alcançou 34,1%.

O recorte da POF divulgado pelo IBGE nesta quinta-feira reúne ainda informações sobre acesso aos serviços financeiros e padrão de vida, alimentação e transporte.

Conforme o estudo, 46,2% dos brasileiros (95,6 milhões de pessoas) pertenciam a famílias que haviam atrasado pelo menos uma conta mensal fixa, no intervalo de 12 meses, em razão de dificuldades financeiras. A fatia de 53,8%, por outro lado, não registrou atrasos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos