Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.935,39
    +3.140,52 (+6,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Falta de insumos atinge metade das indústrias da construção, diz CNI

Extra
·1 minuto de leitura
Foto: Arquivo

A falta e o alto custo de insumos se tornaram um problema mais disseminado na construção civil no quarto trimestre de 2020. Atualmente, uma a cada duas empresas da construção são afetadas. Os dados foram divulgados pela pesquisa Sondagem Indústria da Construção, da Confederação Nacional da Indústria. O levantamento mostra ainda que, no terceiro trimestre, o número era de pouco mais de uma a cada três. Em setembro do ano passado, lojistas já registravam falta de materiais no comércio e aumento de preços. A retomada das obras que ficaram paradas após um período de isolamento mais severo, e a elevada demanda na indústria que também teve parte da produção interrompida são apontadas como causas do desabastecimento e falta de estoques.

A pesquisa revela ainda que a produção e emprego do setor caíram, em um movimento já esperado para o mês de dezembro, segundo a CNI. O índice de atividade da indústria de construção foi de 46,3 pontos em dezembro, abaixo da linha divisória de 50 pontos, o que indica redução da atividade da construção. O índice de evolução do número de empregados ficou em 46,9 pontos, abaixo da linha divisória de 50 pontos, mas ainda acima de sua média histórica, 44,1 pontos.

Inflação:

A utilização da capacidade operacional caiu de 63% para 62%. O indicador, entretanto, atingiu o maior nível para o mês de dezembro desde 2014. A confiança dos empresários da indústria da construção recuou 3,2 pontos em janeiro de 2021 para 56,9 pontos. Mas como o índice permanece acima dos 50 pontos, o ICEI-Construção ainda indica confiança dos empresários.