Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.304,04
    -1.125,25 (-2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Falta frango no Reino Unido, e exportação brasileira pode crescer

·5 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 21.03.2017: Idosa observa carnes de frango expostas no açougue na zona leste de São Paulo. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 21.03.2017: Idosa observa carnes de frango expostas no açougue na zona leste de São Paulo. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS) - O frango, carne preferida dos britânicos (metade de toda a consumida no Reino Unido), está em falta nas gôndolas e nas mesas do país. O sinal amarelo ficou visível no dia 12 de agosto, quando a rede americana KFC -em que impera a ave frita- avisou a seus consumidores que eles talvez se deparassem com "a falta de alguns itens do cardápio".

Cinco dias depois veio o sinal vermelho: a rede de fast-food Nando´s precisou fechar temporariamente cerca de 50 de suas 450 lojas britânicas por causa da escassez de sua principal matéria prima.

"Uma espécie de pesadelo" que está afetando a cadeia de suprimentos do Reino Unido, disse a empresa também em rede social, prometendo fazer "todo o possível para devolver o peri-peri a seu legítimo lugar: seu prato".

Peri-peri é o carro-chefe da rede de lanchonetes: um churrasco de frango marinado segundo receita portuguesa que, além da pimenta vermelha peri-peri, leva molho inglês, alho, cebola, limão, mostarda, pimenta do reino e sal. Mas, mesmo em outras versões, as aves em falta incomodam o consumidor britânico.

Parte do problema se deve à "pingdemia", aumento súbito de pessoas alertadas, pelo aplicativo de saúde, de que deveriam se auto-isolar durante dez dias por terem tido contato com um caso de Covid.

Esse rigor sanitário afastou do trabalho motoristas e funcionários de frigoríficos, ao mesmo tempo em que a demanda cresceu, com a reabertura de restaurantes, bares e das atividades em geral.

Além do mercado de frangos, a "pingdemia" afetou várias indústrias alimentícias, chegando a esvaziar prateleiras de supermercados. Há algumas semanas, o governo pediu ao setor que relaxasse as regras dos afastamentos, o que deve aliviar esse gargalo.

Há porém uma trava de mais longa duração: as novas regras de imigração impostas pelo brexit. Em vigor desde 1º de janeiro de 2021, elas afetaram em cheio a mão de obra da indústria avícola, que emprega cerca de 40 mil trabalhadores, 22,8 mil (60%) dos quais são cidadãos europeus, segundo o British Poultry Council (BPC), associação do setor.

A alta rotatividade, de cerca de 30%, faz com que todos os anos abram-se 7.000 vagas, que costumavam sendo preenchidas por estrangeiros, principalmente romenos e búlgaros.

Parte desses trabalhadores voltou a seus países natais durante a pandemia e, com o divórcio entre os britânicos e a União Europeia, só podem se reempregar no Reino Unido com autorização de trabalho.

O novo sistema de imigração britânico, porém, prioriza funções de alta qualificação e melhor remuneração, enquanto as vagas nos frigoríficos são em geral de salário reduzido e pouco qualificadas. Com isso, faltam braços no setor de aves.

No maior fornecedor britânico de frangos para o varejo, o 2 Sisters Food Group, 16% das vagas estão desocupadas por causa da perda de funcionários após o brexit, segundo a associação comercial.

Em média, o fornecimento de frango no Reino Unido sofreu uma queda de entre 5% e 10% desde o começo do ano, calcula o BPC, que neste mês pediu ao governo britânico uma flexibilização nas regras para trabalhadores estrangeiros do setor.

Não é uma lacuna fácil de preencher com funcionários britânicos, diz Luís Rua, diretor de Mercados da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal): "Há empresas oferecendo até bonificação adicional, lutando na unha para ver se laça alguém para os frigoríficos, a desossa, mas o trabalhador inglês não quer essa função".

O mercado britânico está entre os 15 principais para a avicultura nacional e em forte crescimento. De janeiro a julho deste ano, foram para o Reino Unido 39% mais toneladas que no mesmo período de 2020, um recorde em volume e faturamento dos últimos cinco anos, mostram os dados da ABPA.

Mas, embora a instabilidade no fornecimento de frango in natura no Reino Unido não deva ser resolvida tão cedo, ainda é cedo para estimar que oportunidade isso cria para o Brasil, diz Rua. Isso porque as principais exportações brasileiras para o país são de frango cozido ou salgado, que se destinam à indústria.

Na análise mais detalhada, em 2019 os brasileiros mandaram para o Reino Unido 67.689 toneladas desses dois produtos, quase 85% do total. O frango in natura --vendido também para o atacado e o varejo-- foi só 1,6% do total, ou 1.276 toneladas.

Na competição pelos clientes britânicos, os brasileiros eram suplantados por vantagens obtidas pelos poloneses. A Polônia produz 1 em cada 6 frangos criados no continente e, quando o Reino Unido estava no mesmo mercado comum, os produtos poloneses não se submetiam a inspeção sanitária.

Essa situação muda a partir de 1º de outubro, quando exportações polonesas também serão fiscalizadas. Isso pode fazer a balança pender para o lado brasileiro, afirma Rua: a produção aviária polonesa tem registrado casos de Salmonella -uma bactéria que pode provocar intoxicação em humanos.

Quase 100 alertas foram emitidos entre março e julho deste ano por vários países europeus, de acordo com o portal Sistema de Alerta Rápido para Alimentos e Rações (RASFF), incluindo a presença, em aves resfriadas, de dois tipos considerados as principais ameaças para a saúde pública: Salmonella enteritidis e typhimurium.

Além de uma nova janela em relação ao frango in natura, o Brasil espera outra boa notícia: a ampliação de suas cotas de exportação sem tarifa para o Reino Unido, em negociação no âmbito da OMC (Organização Mundial do Comércio).

Antes do brexit, cada uma das oito categorias de frango vendidas pelo Brasil tinha uma cota para a União Europeia como um todo. Neste ano, elas foram divididas entre britânicos e o bloco europeu, mas o governo brasileiro quer aumentar a fatia do Reino Unido --que paga os melhores preços e cuja demanda supera o volume das cotas atuais.

Enquanto isso, novo problema se aproxima com o Natal. Cerca de 9 milhões de perus por ano são abatidos no Reino Unido nesta época, uma atividade que depende fortemente de mão de obra temporária, majoritariamente também do leste europeu.

A associação de produtores britânicos já projeta uma queda de 20% no número de aves disponíveis para as festas de fim de ano. Para o Brasil, pode ser uma chance de ampliar também as vendas de peru in natura, uma categoria cuja exportação não chegou a 450 toneladas (0,06% do total) em 2019.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos