Mercado abrirá em 3 h 2 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,78
    +0,77 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.794,20
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.836,03
    +41,66 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,47
    -6,56 (-1,63%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.490,62
    +1,43 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.527,25
    +17,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Falta de energia trará apagão da rede móvel na Europa

Europa sofre ameaça de apagão das telecomunicações (REUTERS/Christian Hartmann/File Photo)
Europa sofre ameaça de apagão das telecomunicações (REUTERS/Christian Hartmann/File Photo)
  • Suécia, Alemanha e França devem ser os países mais impactados;

  • Corte do fornecimento de gás natural impactará a vida do europeu neste inverno;

  • Europa tem cerca de meio milhão de torres de telecomunicações.

O corte do fornecimento de gás natural da Rússia para a Europa pode significar um apagão na rede de telecomunicações do continente neste inverno. Muitos países do continente não possuem sistemas reservas suficientes para lidar com os cortes generalizados de energia.

Atualmente a Europa tem cerca de meio milhão de torres de telecomunicações, com a maioria dispondo de baterias reservas que atuam justamente no caso de falta de energia. No entanto, a carga é suficiente apenas para 30 minutos de operação das antenas móveis.

Dentre os países que mais deverão sofrer com a interrupção do fornecimento de gás natural da Rússia, utilizado desde o aquecimento das casas e estabelecimentos à produção de energia elétrica via usinas térmicas, a Suécia e a Alemanha estão entre os mais atingidos, podendo ficar sem serviço de celular e internet móvel.

Mas nenhum deles será mais impactado do que a França, que além desses cortes também deverá contar com pausas no fornecimento das energias nucleares, que entrarão em manutenção nos próximos meses.

A companhia de energia estatal, a EDF, já está coordenando com o governo francês e com as operadoras de telecomunicação do país (Orange, Bouygues Telecom, Free e SFR) planos para os próximos meses. A distribuidora se recusou a revelar o conteúdo das conversas, mas informou que todos os clientes comuns serão tratados em pé de igualdade no caso de interrupções.

A estatal afirmou, no entanto, que conseguiu isolar certas seções da rede de energia para priorizar clientes prioritários, como hospitais, indústrias estratégicas e militares.