Mercado fechará em 4 h 39 min
  • BOVESPA

    100.982,69
    +430,25 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.649,46
    -19,79 (-0,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,63
    +0,60 (+1,50%)
     
  • OURO

    1.904,90
    -24,60 (-1,27%)
     
  • BTC-USD

    12.922,10
    +1.865,09 (+16,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,43
    +4,33 (+1,69%)
     
  • S&P500

    3.434,36
    -1,20 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    28.181,80
    -29,02 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.780,94
    +4,44 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.650,50
    -40,75 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6023
    -0,0477 (-0,72%)
     

Falta de crédito imobiliário condena mulheres à pobreza na América Central, afirma IFC

Juan José Rodríguez
·2 minutos de leitura
Mulher aguarda em casa enquanto policiais entregam comida durante a pandemia da covid-19 em San Jose, na Costa Rica
Mulher aguarda em casa enquanto policiais entregam comida durante a pandemia da covid-19 em San Jose, na Costa Rica

O número de mulheres na América Central com acesso ao crédito imobiliário é mínimo, uma situação que as condena a um "círculo vicioso" da pobreza, alertou a Corporação Financeira Internacional (IFC), vinculada ao Banco Mundial. 

"Em média, menos de 40% das mulheres na América Central têm acesso a uma conta bancária e apenas 6% ao financiamento imobiliário", disse à AFP Sanaa Abouzaid, gerente para a América Central da IFC, que destina empréstimos para o setor privado.

Segundo dados da instituição, o percentual de mulheres com empréstimos hipotecários é de 7% na Costa Rica, Panamá e Honduras, 6% na Guatemala e 4% na Nicarágua e El Salvador.

Além disso, apenas 38% das mulheres dessa região têm conta em banco, em comparação aos 48% no caso dos homens. 

A Costa Rica é o país onde as mulheres têm maiores opções de acesso ao crédito (61%), seguida por Panamá (42%), Guatemala (41%) e Honduras (39%), ao contrário de El Salvador (24%) e Nicarágua (22%). 

A situação, segundo Abouzaid, cria um "círculo vicioso" que empobrece as mulheres, uma vez que não têm acesso a uma casa própria e, por isso, não têm histórico de crédito para pedir empréstimos para o seu desenvolvimento pessoal, profissional e empresarial.

Abouzaid anunciou para o Panamá um pacote de US$ 70 milhões para fornecer o financiamento habitacional para mulheres chefes de família de baixa e média renda, por meio de um banco local. 

Esse plano piloto, que se pretende estender a outros países, inclui o financiamento de pequenas e médias empresas (PMEs) que sejam propriedade de mulheres. 

"O maior acesso à casa própria não só permite que as mulheres melhorem suas condições de vida, mas também abre portas para a obtenção de financiamento para seus negócios", explicou Abouzaid. 

Na América Central, mais de um terço da população vive na pobreza e a pandemia piorará a situação. 

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) projeta uma queda de aproximadamente 8,4% no Produto Interno Bruto da América Central para este ano. 

A especialista também alerta para o aumento da pobreza, principalmente em El Salvador, Nicarágua, Honduras e Costa Rica. 

A condição é pior para as mulheres, que em muitos casos dependem dos seus parceiros, não têm acesso à educação ou a um trabalho, por causa do trabalho doméstico ou por cuidar dos filhos. 

"As mulheres precisam de mais apoio para ter acesso a financiamentos" para criar suas próprias PMEs, mas na América Central "apenas 24% têm empréstimo bancário para capital de giro" e com a crise a situação pode piorar, finalizou Abouzaid.

jjr/mas/mr/bn/cc