Mercado abrirá em 6 h 5 min
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,66
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.783,20
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    32.685,74
    -270,14 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    785,11
    -65,23 (-7,67%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.437,69
    -51,31 (-0,18%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.123,50
    -6,50 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9739
    -0,0014 (-0,02%)
     

Falta de competência da UE em chips e baterias preocupa Merkel

·1 minuto de leitura

Por Emma Thomasson

BERLIM (Reuters) - A chanceler alemã, Angela Merkel, expressou nesta quarta-feira preocupação de que a Europa não possa fabricar chips e baterias que precisa para competir na produção de carros elétricos, bem como pelo desenvolvimento de outros aparelhos "smart".

Merkel disse em uma cúpula sobre o futuro da inovação na Alemanha que a Europa corre o risco de ficar para trás em áreas como computação quântica, chips e baterias, essenciais para o futuro da indústria automotiva à medida que ela passa a produzir mais veículos elétricos.

"Se um grande bloco como a UE não está em posição de criar chips, não me sinto confortável com isso", disse ela. "Não é bom ser uma nação automotiva e não poder produzir o componente principal."

As montadoras de veículos atualmente usam chips em tudo, desde gerenciamento de motores por computador a sistemas de assistência ao motorista.

Se a Europa perder a capacidade de fazer os chips que são usados em dispositivos conectados à Internet, ela se tornará muito dependente, principalmente da Ásia, observou Merkel.

A resposta não é necessariamente replicar o avanço em vários países, mas a pandemia mostrou a necessidade de contratos mais firmes se o Ocidente quiser continuar terceirizando a produção de componentes para países menos desenvolvidos, disse ela.

“Precisamos de uma discussão global sobre quanta confiabilidade podemos dar uns aos outros, ou teremos custos maiores se desenvolvermos algo três vezes”, disse ela.

A União Europeia criou uma nova aliança para apoiar a produção local e o desenvolvimento de semicondutores, com o objetivo de reduzir a dependência de fornecedores estrangeiros. Enquanto isso, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, propôs 50 bilhões de dólares para aumentar a produção de semicondutores no país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos