Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.776,25
    -677,05 (-1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Falta de chips obriga montadoras a dispensar recursos avançados

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Quando montadoras foram atingidas pela primeira vez pela falta de chips no final do ano passado, tentaram paralisar fábricas até que os problemas fossem resolvidos. Mas com a crise no quinto mês e cada vez pior, fabricantes de automóveis recorrem à criatividade para manter pelo menos parte da produção.

A Nissan decidiu retirar sistemas de navegação de milhares de veículos que normalmente seriam produzidos com o recurso por causa da escassez de semicondutores. A Ram não oferece mais suas picapes 1500 com um espelho retrovisor “inteligente” padrão que monitora os pontos cegos. E a Renault já não instala uma tela digital de grandes dimensões atrás do volante de seu SUV Arkana, também para economizar chips.

A crise é um teste histórico para uma indústria automobilística centenária, que tenta acelerar a transição para veículos elétricos mais inteligentes. Por décadas, as montadoras mudaram constantemente para incluir mais recursos avançados; agora, estão retirando alguns deles - pelo menos temporariamente - para garantir as vendas.

Essa reversão destaca a gravidade dos problemas enfrentados pelo setor. Na semana passada, BMW, Honda e Ford sinalizaram mais problemas causados pela escassez de chips. A dificuldade em garantir suprimentos essenciais é um grande revés de curto prazo - milhões em vendas de veículos serão perdidos este ano - e um mau presságio para o futuro, à medida que a concorrência de empresas de Internet e produtos eletrônicos de consumo se intensifica.

“Isso provavelmente vai piorar antes de melhorar”, disse Stacy Rasgon, que cobre a indústria de semicondutores para o Sanford C. Bernstein. “Leva muito tempo para colocar essa capacidade online.”

O CEO da NXP Semiconductor, Kurt Sievers, disse que a transição para veículos elétricos está acontecendo mais rápido do que o previsto, o que contribuiu para o aumento da demanda por chips automotivos. A NXP planeja despachar pelo menos 20% mais chips de automóveis em receita no primeiro semestre de 2021 em comparação com o mesmo período de 2019, embora a produção de veículos tenha caído cerca de 10% no período, disse.

Mark Liu, presidente do conselho da Taiwan Semiconductor Manufacturing Co., alertou que a crise está longe de acabar. Sua empresa, que fabrica os chips mais avançados do mundo e será fundamental para qualquer resolução, começará a atender aos requisitos mínimos dos clientes automotivos até junho, mas acredita que a falta chips possa durar até o início de 2022, disse em entrevista à CBS.

As montadoras não podem esperar. Uma reação à falta de chips é alocar os escassos componentes para veículos mais lucrativos e mais vendidos em detrimento de outros modelos, algo que fabricantes como a francesa Renault e a japonesa Nissan estão fazendo.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.