Mercado abrirá em 6 h 2 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,49
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.754,80
    +5,00 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    44.174,49
    -46,61 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.102,41
    -6,51 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.370,11
    -140,87 (-0,57%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.267,00
    -36,50 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2224
    -0,0026 (-0,04%)
     

Falta de chips faz produção de veículos no Brasil ter pior agosto desde 2003

·2 minuto de leitura

(Reuters) - A produção de veículos leves no Brasil teve em agosto o pior desempenho para o mês desde 2003, como reflexo da escassez de chips, revelou nesta quarta-feira a entidade que representa as montadoras, Anfavea.

Embora tenha crescido 0,3% ante julho, a produção de 164 mil unidades no mês foi 21,9% do que um ano antes. No total dos oito primeiros meses do ano, o total de 1,476 milhão de leves produzidos ainda é 33% a mais do que um ano antes, período de maior impacto dos efeitos da pandemia Covid-19.

Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, hoje 11 fábricas de veículos leves no país estão com atividades parcial ou totalmente paradas devido à falta de semicondutores, cenário que tem atingido a produção automotiva no mundo todo.

"As fábricas estão tendo que fazer uma verdadeira ginástica para conseguir atender os clientes", disse Moraes a jornalistas durante apresentação dos números do setor de agosto.

A entidade prevê que a escassez de chips deve se prolongar pelo menos até o final deste ano, fazendo o setor no país produzir de 240 mil a 280 mil veículos a menos em 2021.

Um dos efeitos da queda na produção num mercado que tenta lentamente se levantar do choque provocado pela pandemia tem sido o esvaziamento do estoque, que chegou a 76,4 mil unidades em agosto, menor nível da história.

TEMPESTADE PERFEITA

Não bastasse a escassez de chips, o executivo listou também outros fatores que estão pressionando a produção e as vendas.

De um lado, a crise hídrica já está aumentando os custos para fabricação de veículos. De outro, maiores juros para financiamento de veículos, na esteira do avanço da Selic para conter a escalada da inflação, também devem impactar as vendas. A taxa média do CDC para o setor deve chegar a 26% ao ano até dezembro, ante 20% no começo de 2021.

Além disso, pontuou Moraes, a crise institucional no país tende a impactar nas duas pontas, uma vez que aumenta as incertezas tanto de empreendedores quanto de consumidores.

"O que aconteceu ontem não ajuda na retomada", disse Moraes, referindo-se ao dia marcado por protestos em todo o país, a favor e contra pautas políticas do presidente Jair Bolsonaro.

VENDAS

Ainda segundo a Anfavea, as vendas de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus em agosto recuaram 1,5% na base mensal e 5,8% em relação a agosto de 2020, para 172,8 mil unidades, segundo a entidade.

O volume de veículos exportados no mês passado somou 29,4 mil unidades, alta de 23,9% ante julho e crescimento de 5,5% frente a agosto de 2020.

(Por Aluísio Alves, com reportagem adicional de Paula Arend Laier)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos