Mercado abrirá em 4 h 57 min
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,44
    +0,32 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.861,90
    +5,50 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    40.112,14
    -259,64 (-0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    997,21
    -13,40 (-1,33%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.194,63
    +22,15 (+0,31%)
     
  • HANG SENG

    28.423,26
    -215,27 (-0,75%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    14.043,25
    +13,00 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1160
    -0,0019 (-0,03%)
     

Falta de chips automotivos eleva custo estimado para US$ 110 bi

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Com a piora da crise de semicondutores, o impacto na indústria automotiva global também é mais forte: o custo estimado sobre as vendas quase dobrou para US$ 110 bilhões em relação à previsão anterior de US$ 61 bilhões.

Essa é a avaliação mais recente da AlixPartners, consultoria global que monitora de perto a crescente crise. Agora a consultoria também diz que as montadoras mundiais deixarão de produzir 3,9 milhões de veículos devido à escassez de chips neste ano, mais do que a previsão de 2,2 milhões há quatro meses. O número corresponde a cerca de 4,6% dos 84,6 milhões de veículos que a AlixPartners havia projetado para a produção total em 2021.

Montadoras divulgaram alertas sobre o agravamento da crise de chips durante a temporada de balanços nas últimas semanas. Tanto a Ford quanto a General Motors estimaram que o segundo trimestre seria o pior, pois tiveram que paralisar fábricas por falta dos componentes essenciais. Mas o setor não deve ver sinais de recuperação antes do fim do ano, segundo a AlixPartners.

“Ainda está impactando profundamente o terceiro trimestre”, disse Mark Wakefield, responsável por prática automotiva global da AlixPartners, em entrevista. “Realmente não temos como entrar no ‘modo recuperação’ até o quarto trimestre.”

O momento da crise ganha importância ainda maior, porque os cortes de produção devido à falta de chips têm elevado os preços de veículos novos e usados, contribuindo para a aceleração da inflação nos EUA. Outra consultoria, a LMC Automotive, prevê que a produção global será reduzida em quase 3 milhões de veículos apenas no primeiro semestre deste ano.

O diretor-presidente da Ford, Jim Farley, disse na quinta-feira que a empresa está reformulando o design dos veículos para usar chips mais comuns e “acessíveis”. Também planeja aumentar o estoque de semicondutores e assinar contratos diretamente com fabricantes de chips, em vez de depender de um fornecedor de autopeças.

“Realmente vemos um segundo semestre melhor”, disse Farley durante a assembleia anual de acionistas da Ford. “Começamos a ter mais confiança no fornecimento de chips.”

A crise que surgiu devido aos cortes de produção relacionados à pandemia foi agravada por um incêndio em uma fábrica de semicondutores no Japão e pela onda de frio recorde no Texas, o que reduziu o fornecimento.

“Existem até 1.400 chips em um veículo típico hoje, e esse número só tende a aumentar”, disse Dan Hearsch, diretor-gerente da prática automotiva da AlixPartners. “A prioridade para as empresas no momento é mitigar da melhor forma possível os efeitos de curto prazo desta disrupção, que pode incluir de tudo, desde a renegociação de contratos até o gerenciamento das expectativas de bancos e investidores.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.