Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,34
    -0,12 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.761,00
    -5,80 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    63.093,18
    -116,17 (-0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.399,08
    +18,13 (+1,31%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.823,14
    +30,00 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.673,94
    +31,25 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    13.965,50
    -48,50 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7092
    -0,0119 (-0,18%)
     

Falta de chips aumentará preços dos celulares para o público, diz CEO da Xiaomi

Rui Maciel
·2 minuto de leitura

A escassez global de chips no mercado está aumentando os custos de produção dos smartphones da Xiaomi. E essa despesa pode ser repassada para o consumidor. Pelo menos foi o que afirmou Wang Xiang, presidente da fabricante chinesa durante a teleconferência de resultados do quarto trimestre.

“Continuaremos a otimizar os custos de nossos dispositivos de hardware, com certeza”, afirmou o executivo. "Para ser honesto, faremos o máximo para oferecer o melhor preço possível aos consumidores. Mas, às vezes, podemos ter que repassar parte do aumento de custo para o consumidor em diferentes casos. Estamos sentindo a pressão, mas parecemos bem”.

Três fatores vêm contribuindo enormemente para a escassez de chips na indústria de eletrônicos desde o ano passado: a pandemia de COVID-19, as sanções contra as principais empresas de tecnologia chinesas e uma demanda acima do esperado de smartphones, tablets e notebooks por parte do público, que se viu obrigado a adotar o distanciamento social, ficando mais em casa. Todos esses episódios convergiram para derrubar a cadeia de suprimentos de semicondutores.

A Qualcomm, um dos mais importantes fornecedores da Xiaomi, informou a Reuters que está lutando para atender aos pedidos das principais marcas de smartphones. Segundo informações levantadas pelo site chinês Business News, a fabricante - que também fornece processadores a outras grandes marcas como Realme, Samsung e Motorola - estaria levando mais de 30 semanas para fazer a entrega completa dos pedidos. Além dos chips, itens como fontes de alimentação e dispositivos de radiofrequência também estariam fora de estoque.

Processador Snapdragon 870: Qualcomm estaria com dificuldades para fornecer componentes para seus principais clientes (Imagem: Divulgação/Qualcomm)
Processador Snapdragon 870: Qualcomm estaria com dificuldades para fornecer componentes para seus principais clientes (Imagem: Divulgação/Qualcomm)

E não é apenas entre smartphones e notebooks que a escassez de chips está alta. O setor automotivo já vem sofrendo com a falta de componente há algum tempo. Situação semelhante ocorre no mercado de videogames, com a Sony penando para conseguir processadores para o seu Playstation 5 e até a Nvia estaria com estoque reduzido para suas placas gráficas.

Mas, problemas de chips à parte, a Xiaomi não pode reclamar de seus números: ela registrou um aumento na receita anual de 24,8% no quarto trimestre, atingindo US$ 10,8 bilhões. Já o seu lucro líquido ajustado aumentou 36,7%, indo para US$ 410 milhões.

Leia também:

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: