Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.224,70
    +1.080,09 (+2,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Falsa vacinação de idosa: Perícia aponta que seringa utilizada para 'fingir' aplicação não tinha defeito

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Tecnica de enfermagem 'finge' vacinar idosa (Foto: Reprodução/Twitter)
Tecnica de enfermagem 'finge' vacinar idosa (Foto: Reprodução/Twitter)

O Laboratório Forense do Instituto de Criminalística de Alagoas concluiu, na noite de quarta-feira (3), que a seringa utilizada por uma técnica de enfermagem que fingiu vacinar uma idosa de 97 anos contra a Covid-19 não tinha defeitos no funcionamento do êmbolo — peça que se move em vaivém no interior de seringas.

O caso só foi descoberto, pois, no dia da vacinação, uma cuidadora de idosa fez um vídeo do momento da aplicação. As imagens mostram a técnica de enfermagem furando o braço esquerdo da idosa, mas ela não injeta o imunizante e retira a seringa intacta.

Na última sexta-feira (29), a seringa e o imunizante foram encontrados no local de descarte do estacionamento do Pátio Shopping, no bairro Benedito Bentes, onde a profissional trabalhou no dia da falsa vacinação. O nome da técnica de enfermagem não foi divulgado. Ela foi afastada da função ainda no dia 28.

Leia também:

De acordo com o UOL, o laboratório que fez a perícia recebeu lacrada a caixa coletora de materiais infectantes utilizada pela técnica de enfermagem. O material estava em poder da SMS (Secretaria Municipal de Saúde) e foi enviado ontem (2), após determinação do MP-AL (Ministério Público de Alagoas).

"No primeiro exame, constatamos que no interior da caixa estavam depositadas 119 unidades de seringas usadas e descartadas. Desse total, apenas uma dessas seringas possuía líquido em seu interior", disse a perita criminal Bárbara Fonseca.

A seringa passou por um teste que mostrou que o êmbolo não apresentou defeito. Ou seja, a seringa funcionou normalmente.

Um laudo com o resultado dos exames deverá ser confeccionado nos próximos dias para ser enviado ao MP-AL e à Delegacia Geral de Polícia de Alagoas. As autoridades dependem da conclusão para instaurar inquérito criminal contra a técnica de enfermagem.

Relembre o caso

No dia 28 de janeiro, uma senhora foi tomar a vacina contra a Covid-19 em Maceió, e, ao se posicionar para receber o imunizante, a funcionária responsável pela vacinação inseriu a agulha no braço dela, mas não pressionou o êmbolo da seringa.

Por sorte, quem filmava o momento percebeu que o líquido não fora introduzido no corpo da idosa e que, assim, a vacina não fora aplicada.

Depois da vacinação frustrada, contudo, familiares falaram com a supervisora responsável pela imunização, que pediu desculpa, disse se tratar de um erro isolado e aplicou a vacina, desta vez corretamente.

Após o episódio, a Prefeitura de Maceió, sob gestão JHC (PSB), decidiu afastar a servidora responsável pelo erro e instaurar um processo administrativo.

O Ministério Público de Alagoas também vai investigar o caso. O promotor Paulo Henrique Prado, da 67ª Promotoria de Justiça da Capital, informou que instaurará uma notícia de fato para apurar a atitude da profissional.

Em nota, a Prefeitura de Maceió informou que "tomou ciência com indignação sobre o caso" e que "trata-se de um caso isolado".

O município disse ainda que vai ampliar a fiscalização e vai mudar o protocolo de vacinação. "O profissional de saúde terá que mostrar a seringa cheia antes da aplicação e vazia após o procedimento", diz a nota.