Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.972,55
    +25,94 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Falência do Twitter não está descartada, afirma Musk

Homem mais rico do mundo demitiu funcionários e acabou com o home office no Twitter (Getty Image)
Homem mais rico do mundo demitiu funcionários e acabou com o home office no Twitter (Getty Image)
  • Elon Musk diz para funcionários que Twitter corre risco de falência;

  • Bilionário já realizou uma série de mudanças na operação da empresa;

  • Essa não é a primeira vez que o empresário usa tom alarmista com equipe de trabalho.

O Twitter é uma das principais redes sociais da atualidade. Depois de anos de sucesso e de rentabilidade, parece que a dinâmica pode ser abalada após ter sido comprada pelo homem mas rico do mundo.

Elon Musk, atual único proprietário do Twitter, disse nesta quinta-feira (10) aos funcionários da plataforma que a falência da empresa não pode ser descartada.

A fala ocorreu durante uma reunião presencial com os funcionários da sede em São Francisco, lembrando que o trabalho remoto acabou e que devem retornar aos escritórios, sob pena de demissão, de acordo com a Bloomberg.

Ao mesmo tempo em que enviou uma mensagem a todos os funcionários reconhecendo que “as perspectivas econômicas são alarmantes”, o bilionário também disse que a companhia precisava urgentemente convencer os usuários a pagar os US$ 8 exigidos para contas verificadas.

Além disso, o empresário informou que os funcionários devem se preparar para semanas de trabalho de 80 horas. Outra medida polêmica é que haverá menos regalias nos escritórios, como comida grátis. Musk ainda acabou com a flexibilidade da era da pandemia que permitia que os funcionários trabalhassem em casa.

Essa não é a primeira vez que o CEO da Tesla age com tom alarmista. No passado, Elon Musk já usou a ameaça de ruína financeira na tentativa de motivar os trabalhadores.