Mercado abrirá em 3 h 6 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,00
    -0,13 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.788,50
    +8,30 (+0,47%)
     
  • BTC-USD

    56.782,23
    +1.563,73 (+2,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.291,54
    -100,17 (-7,20%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.021,03
    +1,50 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    14.018,75
    -10,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6839
    -0,0022 (-0,03%)
     

Faculdades perdem receita com migração para ensino remoto na pandemia

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A pressão da pandemia sobre as aulas presenciais deve impactar o faturamento do ensino superior, enquanto o crescimento da educação básica deve se manter, segundo estudo da consultoria especializada em educação Hoper que será apresentado na quarta (7). Pelos cálculos da Hoper, as faculdades privadas tiveram queda de receita entre 7% e 9% no ano passado e devem ver o mesmo resultado em 2021, partindo de uma base de R$ 54,6 bilhões em 2019. Paulo Presse, coordenador de estudos da consultoria, diz que o resultado reflete a troca que muitos alunos fizeram do ensino presencial, com mensalidade média de R$ 758, pela educação à distância, em que o tíquete é de R$ 260, segundo pesquisa da Hoper. No ensino básico, a consultoria estima que o faturamento, de R$ 75,6 bilhões em 2019, tenha crescido R$ 3 bilhões no ano passado. Presse afirma que as escolas privadas, em especial as da categoria premium, perderam poucos alunos na pandemia.