Mercado abrirá em 9 h 7 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,08
    -0,57 (-0,67%)
     
  • OURO

    1.790,30
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    60.517,84
    -2.275,64 (-3,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.468,67
    -36,48 (-2,42%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.592,59
    -445,68 (-1,71%)
     
  • NIKKEI

    28.946,61
    -159,40 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    15.531,00
    -14,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4564
    +0,0023 (+0,04%)
     

Facebook via crianças como ‘riqueza inexplorada’

·2 minuto de leitura
O Wall Street Journal publicou na terça-feira (28) uma nova reportagem sobre o "The Facebook Files", mergulhando ainda mais fundo nos esforços onipresentes da plataforma para direcionar e recrutar crianças pequenas. (REUTERS/Erin Scott)
  • Companhia de Mark Zuckerberg visava ‘monetizar’ crianças de 6 a 12 anos

  • Usuários adolescentes devem reduzir em até 45% em 2023

  • CEO e Fundador foi convocado mais uma vez para dar explicações ao governo dos EUA

O Wall Street Journal publicou na terça-feira (28) uma nova reportagem sobre o "The Facebook Files", mergulhando ainda mais fundo nos esforços onipresentes da plataforma para direcionar e recrutar crianças pequenas.

Leia também:

Documentos internos obtidos pelo WSJ agora revelam que o Facebook formou uma equipe especial para estudar as crianças e refletir sobre como elas poderiam ser monetizadas. De acordo com uma dessas cópias, a companhia fazia referência a crianças entre 10 e 12 anos ("pré-adolescentes") como um "público valioso, mas inexplorado.

Outro documento citado pelo jornal, datado de março de 2021, observa que o Facebook alerta que a “aquisição” de usuários adolescentes “parece estar diminuindo”. Internamente, o a companhia espera que seu público adolescente caia mais 45% até 2023.

O lucrativo negócio impulsionado por anúncios do Facebook deriva quase todo o seu lucro do rastreamento difundido de seus usuários, dados que são, por sua vez, usados ​​para criar perfis de comportamento específicos usados ​​para "micro segmentar" anúncios e medir sua eficácia. Embora a lei federal americana proíba a coleta de dados pertencentes a crianças menores de 13 anos, o Facebook passou anos procurando uma maneira de convencer as crianças a adotar seus serviços assim que tiverem idade suficiente para serem rastreadas.

Mark Zuckerberg terá de dar explicações ao governo americano

Esta semana, o Facebook disse que estava interrompendo os esforços para lançar um aplicativo “Instagram Kids”. O anúncio ocorreu após outra reportagem do WSJ indicando que a companhia estava ciente, por meio de uma pesquisa interna, que o Instagram teve impactos negativos na saúde mental de alguns usuários adolescentes. “Tornamos os problemas de imagem corporal piores para uma em cada três adolescentes”, disse a pesquisa, observando também que algumas adolescentes atribuíram suas ideias suicidas a suas experiências na plataforma. Mais tarde, o Facebook afirmou que a linha do estudo era enganosa e que a descoberta se aplicava apenas a “aquelas adolescentes que nos disseram que estavam enfrentando problemas de imagem corporal relataram que usar o Instagram as fazia sentir-se pior - não uma em cada três de todas as adolescentes”.

A reportagem levou legisladores democratas a convocar o CEO Mark Zuckerberg para encerrar o projeto Instagram Kids, dizendo que acreditam que o aplicativo "representa ameaças significativas ao bem-estar dos jovens".

Os documentos do Facebook que se referem às crianças como um grupo demográfico “valioso” e “inexplorado” contraria as motivações declaradas para lançar um serviço centrado em crianças: o Facebook argumentou que crianças menores de 13 anos provavelmente tentarão entrar no Facebook e Instagram de qualquer maneira enquanto mentem sobre sua idade. A criação de um aplicativo específico para crianças ajudaria a protegê-las ao separá-las dos adultos online, afirma a empresa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos