Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.112,65
    -1.128,98 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.598,94
    -859,08 (-1,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,92
    +0,56 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.839,80
    +9,90 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    36.413,69
    -28,04 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    719,52
    +4,32 (+0,60%)
     
  • S&P500

    3.802,20
    +33,95 (+0,90%)
     
  • DOW JONES

    30.979,70
    +165,44 (+0,54%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.986,00
    +183,75 (+1,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4823
    +0,0870 (+1,36%)
     

Facebook vai remover conteúdo com a frase "parem com o roubo"

·1 minuto de leitura
Logo do Facebook

(Reuters) - O Facebook anunciou nesta segunda-feira que iria tratar as próximas duas semanas como um "grande evento cívico" e que irá remover certos conteúdos que contenham a frase "stop the steal" ("parem com o roubo") de suas plataformas de redes sociais.

"Com tentativas continuadas de organizar eventos contra o resultado da eleição presidencial dos EUA que podem levar à violência, e por conta do uso do termo pelos envolvidos no episódio de violência da última quarta-feira em Washington, estamos tomando essa medida adicional nos dias que antecedem a posse", afirmou a empresa em uma publicação em seu blog.

Uma porta-voz do Facebook esclareceu que a companhia permitiria publicações que compartilhem claramente a frase "stop the steal" para criticá-la ou discuti-la de maneira neutra.

Em novembro, o Facebook removeu o grupo "Stop the Steal", no qual apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, publicaram mensagens com uma retórica violenta e afirmações falsas sobre a ocorrência de fraude eleitoral.

A empresa, no entanto, não agiu contra a retórica semelhante antes das eleições e recebeu críticas nesta semana por não ter removido posts estimulando o cerco ao Capitólio.

O Facebook também disse que manteria pausados os anúncios em publicações nos EUA sobre política ou eleições.

(Reportagem de Ayanti Bera, em Bengaluru, e Katie Paul, em Palo Alto)