Mercado abrirá em 5 h 46 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,23
    +2,05 (+3,10%)
     
  • OURO

    1.791,90
    +15,40 (+0,87%)
     
  • BTC-USD

    56.984,11
    +825,61 (+1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,64
    +21,86 (+1,52%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.059,45
    -50,50 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    23.700,38
    +225,12 (+0,96%)
     
  • NIKKEI

    27.972,53
    +150,77 (+0,54%)
     
  • NASDAQ

    16.364,50
    +214,00 (+1,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3940
    +0,0240 (+0,38%)
     

Facebook vai alimentar mais atos de violência no mundo, diz delatora

·1 min de leitura
Frances Haugen, ex-Facebook, fala no Parlamento britânico

Por Paul Sandle e Kate Holton

LONDRES (Reuters) - O Facebook vai fomentar mais atos violentos ao redor do mundo por causa da forma como seus algoritmos são projetados para promover conteúdo, disse a delatora Frances Haugen, ao Parlamento britânico nesta segunda-feira.

Haugen, uma ex-diretora do Facebook, compareceu a uma audiência do Parlamento britânico que avalia planos para regular as empresas de mídia social.

Ela afirmou que o Facebook considera segurança como um centro de custo e que defende uma cultura de atalhos e que "inquestionavelmente" tornou o ódio pior.

"Os eventos que estamos vendo ao redor do mundo, coisas como Mianmar e Etiópia...o ranqueamento com base em engajamento faz duas coisas: uma, prioriza e amplifica divisões e polariza conteúdo extremo, e dois, concentra isso", disse ela.

O Facebook não comentou o assunto.

Haugen afirmou este mês à subcomissão de comércio do Senado dos Estados Unidos que o Facebook projetou formas de manter os usuários dentro de sua página, mesmo se isso ia contra seu bem-estar, colocando o lucro antes dos usuários.

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, rebateu neste mês as acusações de Haugen, afirmando que "o argumento de que nós deliberadamente promovemos conteúdo que torna as pessoas nervosas para obtermos lucro é profundamente ilógico".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos