Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.498,46
    -42,59 (-0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Facebook testa recurso para anunciantes evitarem associação com certos temas

·1 minuto de leitura
As eleições nos Estados Unidos são um campo minado para o Facebook, rede social determinada a mostrar que se tornou um ator responsável no processo democrático

O Facebook disse nesta sexta-feira (29) que está trabalhando em uma maneira de permitir que os anunciantes evitem que suas mensagens de marketing apareçam nos feeds junto com conteúdos aos quais eles preferem não ser associados.

Um pequeno grupo de anunciantes em breve começará a testar novos "controles de exclusão de tópicos", que estão sendo aprimorados pela rede social líder, de acordo com um post.

"Esses controles ajudarão a lidar com as preocupações dos anunciantes sobre a exibição de seus anúncios no feed de notícias ao lado de certos assuntos com base em suas preferências de adequação de marca", afirmou o Facebook.

O gigante da internet deu o exemplo de uma empresa de brinquedos infantis que teria a opção de não exibir seus anúncios junto com conteúdos que se enquadram na categoria de "crime e tragédia".

A mudança surge da pressão sobre a empresa por parte dos anunciantes, que buscam evitar publicações tóxicas e abusivas na plataforma.

"O desenvolvimento deste produto, bem como o teste e o aprendizado no feed de notícias, levarão grande parte do ano", explicou o Facebook.

"Esses são novos controles e é importante que os desenvolvamos com garantias para proteger a privacidade das pessoas à medida que avançamos."

O Facebook ganha a maior parte de seus rendimentos com publicidade e tem se esforçado para conter a disseminação do ódio e da desinformação na rede social.

gc/rl/ic/ap