Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,60
    -0,37 (-0,51%)
     
  • OURO

    1.752,40
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    47.043,35
    -739,18 (-1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.176,45
    -49,08 (-4,00%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.303,50
    -22,50 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1923
    -0,0071 (-0,11%)
     

Facebook teria acesso a mensagens criptografadas no WhatsApp, acusa organização

·3 minuto de leitura

Um dos trunfos do WhatsApp sempre foi o fato de garantir privacidade às mensagens em razão da criptografia de ponta a ponta, o que impede o acesso não autorizado de outras pessoas. Como também não armazena as conversas na nuvem, ninguém teria acesso ao conteúdo das mensagens, exceto os participantes. Mas um rumor divulgado na imprensa recentemente sugere que o Facebook, empresa controladora do app, é sim capaz de visualizar o conteúdo das mensagens.

A suposta falha de segurança ocorreria, segundo o site 9to5Mac, quando alguém relata uma mensagem como imprópria aos moderadores. Além do conteúdo problemático, a ferramenta enviaria também outras cinco interações anteriores, como forma de ajudar no contexto — nessa situação específica, a mensagem é descriptografada e enviada ao WhatsApp com uma nova chave. A suposta brecha foi descoberta pela ProPublica, uma organização sem fins lucrativos com sólida reputação no segmento de jornalismo investigativo.

O sistema de criptografia deve impedir que terceiros acessem textos, áudios, fotos e vídeos (Imagem: Reprodução/WhatsApp)
O sistema de criptografia deve impedir que terceiros acessem textos, áudios, fotos e vídeos (Imagem: Reprodução/WhatsApp)

Segundo a ProPublica, mais de mil funcionários nos escritórios do WhatsApp teriam acesso ao conteúdo por meio de um software criado para "vasculhar fluxos em mensagens privadas, imagens e vídeos relatados". Essas pessoas não só veriam o que foi enviado — fraudes, spam, pornografia e até conspirações terroristas — como também teriam o poder de julgar o que é ou não apropriado.

Conforme o relato da organização jornalística, as mensagens chegam ao Facebook/WhatsApp de forma desordenada, mas plenamente visíveis aos avaliadores autorizados. Os sistemas automatizados da companhia então colocam as mensagens em uma fila que deve ser avaliada manualmente.

Esses profissionais ocupariam o cargo de “Revisor de Conteúdo” e não fazem menção ao Facebook ou WhatsApp, com pagamentos em torno de US$ 16,50 por hora (cerca de R$ 85). Os moderadores seriam supostamente instruídos a dizer a qualquer pessoa que trabalha para a empresa Accenture e a assinar acordos abrangentes de não divulgação.

Denúncia não apurada

Quando faz a análise de metadados para detectar falhas em mensagens, os desenvolvedores do WhatsApp conseguiriam examinar o conteúdo em texto, imagens e vídeos dos usuários. Embora essa não seja uma prática corriqueira, trata-se de um precedente que desmentiria a companhia, que já afirmou em diversas ocasiões ser impossível acessar conversas de terceiros, inclusive ao se recusar a entregar dados de criminosos à justiça de diferentes países (inclusive o Brasil).

O WhatsApp é acusado de contratar funcionários terceirizados para avaliar o conteúdo de mensagens (Imagem: WhatsApp-HQ/FourSquare)
O WhatsApp é acusado de contratar funcionários terceirizados para avaliar o conteúdo de mensagens (Imagem: WhatsApp-HQ/FourSquare)

A ProPublica alega ter tido acesso a uma denúncia feita junto à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos na qual há indício que proprietária do bate-papo teria contratantes externos, sistemas de inteligência artificial e acesso a dados das contas para examinar mensagens, imagens e vídeos do usuário. O órgão dos EUA não teria tomado nenhuma medida pública e também se recusou a comentar o assunto.

Recentemente, a organização se posicionou contra uma iniciativa do Facebook que permitiria analisar o conteúdo dos chats sem quebrar a criptografia ou fazer a "leitura" das informações, com a finalidade de direcionamento publicitário.

O que afirma o Facebook

Em resposta à matéria publicada no 9to5Mac, o Facebook emitiu um comunicado para explicar os fatos. “Construímos o WhatsApp de uma maneira que limita os dados que coletamos, ao mesmo tempo que nos fornece ferramentas para prevenir spam, investigar ameaças e banir aqueles que praticam abusos, inclusive com base em relatórios de usuários que recebemos", informou um porta-voz da companhia. "Este trabalho exige um esforço extraordinário de especialistas em segurança e uma equipe de confiança e segurança valiosa, que trabalha incansavelmente para ajudar a fornecer ao mundo uma comunicação privada”.

O porta-voz ressaltou, ainda, que o WhatsApp lançou novos recursos de privacidade, como as mensagens que desaparecem após algum tempo ou imediatamente após a visualização. Embora a empresa não tenha sido direta na resposta, parece que os analistas do WhatsApp realmente podem ter acesso a mensagens marcadas como impróprias, o que constitui uma situação atípica, mas que testemunha contra o que a companhia sempre afirmou ao longo da história.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos