Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.749,62
    +1.340,14 (+2,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Facebook restringe público que pode comentar em publicações

PAULA SOPRANA
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Facebook anunciou nesta quarta-feira (31) que usuários da rede social poderão controlar quem comenta suas publicações marcadas como públicas, aquelas acessíveis a qualquer pessoa. A medida também vale para qualquer político, autoridade ou figura pública. Cada pessoa da rede social poderá controlar o público apto a comentar determinado post. Em um comunicado no blog oficial, o Facebook afirmou que marcas também poderão limitar a audiência para que as conversas sejam mais seguras ou "significativas". A medida visa dar mais controle aos usuários, que teriam, a princípio, experiências mais ligadas a seus interesses. Para o Facebook, esse tipo de controle limita "interações potencialmente indesejadas". Extraoficialmente, motiva os próprios usuários a ajudarem a conter mensagens de ódio na rede, um dos principais problemas vinculados à empresa de Mark Zuckerberg. A ferramenta é semelhante à introduzida no Twitter recentemente, que limita o público de interação em uma publicação. Na tentativa de tornar as conversas e interações mais restritas, a rede social também lançou uma ferramenta de "favoritos", na qual o usuário pode priorizar as publicações de amigos e páginas de interesse no seu feed de notícias. É possível selecionar até 30 contatos e páginas como favoritos, para que apareçam em posição superior ou em um filtro separado. Também tornou-se possível alternar entre o feed de notícias classificado por algoritmos, em que o Facebook oferece conteúdos baseados em interações, gostos e localização, ou por cronologia, com mensagens mais recentes na área superior do feed. Usuários da rede social precisam ajustar essas mudanças nas áreas "preferências de feed de notícias" e nas configurações de privacidade do aplicativo. A barra de filtro será lançada globalmente no aplicativo Android do Facebook e chegará ao iOS nas próximas semanas. A mudança desta quarta é posterior a uma decisão de um tribunal australiano em 2019, que responsabilizou uma série de veículos de comunicação pelos comentários difamatórios feitos por leitores em suas páginas públicas na rede social. Segundo a decisão, é responsabilidade das companhias de mídia pré-moderar essas mensagens, a fim de evitar difamação ou outros crimes. As empresas tentaram reverter a decisão em 2020, mas não conseguiram. A única forma de barrar um possível comentário é a partir de uma pré-filtragem de palavras feitas pelo administrador da página, que pode escolher que determinado termo não apareça no comentário de suas publicações. De acordo com o jornal The Guardian, as empresas de mídia australianas foram orientadas a destinar recursos significativos para a moderação de conteúdo de terceiros em suas publicações. No mês passado, o parlamento do país aprovou uma lei inédita que obriga as gigantes de tecnologia a pagar por conteúdos noticiosos. A regulamentação adotada foi proposta a fim de combater o domínio do Google e Facebook no país, e forçou as duas empresas a negociarem com provedores de conteúdo. O Facebook chegou a bloquear temporariamente todo o compartilhamento de notícias em sua rede na Austrália.