Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.416,94
    -114,14 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Facebook rejeitou preocupações sobre interferência russa em 2016

Em reportagem do Washington Post, a pessoa é um ex-membro da equipe de integridade do Facebook e diz que a empresa coloca os lucros antes dos esforços para combater o discurso de ódio e a desinformação em sua plataforma. (REUTERS/Dado Ruvic) (REUTERS)
  • De acordo com o segundo denunciante, Facebook coloca lucro acima de qualquer coisa

  • Ex-funcionário de comunicação rejeitou preocupação com interferência russa em 2016

  • Facebook queria ser a única fonte de notícias do mundo

Um segundo denunciante do Facebook apresentou um novo conjunto de alegações sobre como a plataforma de mídia social faz negócios. Em reportagem do Washington Post, a pessoa é um ex-membro da equipe de integridade do Facebook e diz que a empresa coloca os lucros antes dos esforços para combater o discurso de ódio e a desinformação em sua plataforma.

Leia também:

O denunciante alega, entre outras coisas, que um ex-funcionário de comunicações do Facebook rejeitou preocupações sobre a interferência da Rússia na eleição presidencial de 2016, auxiliado involuntariamente pelo Facebook. Tucker Bounds disse, de acordo com o depoimento, que a situação seria “Alguns legisladores ficarão irritados. E então, em algumas semanas, eles passarão para outra coisa. Enquanto isso, estamos imprimindo dinheiro no porão e estamos bem”.

O denunciante alegou diferenças entre as declarações públicas do Facebook e a tomada de decisão interna em outras áreas. Eles dizem que o projeto Internet.org para conectar pessoas no “mundo em desenvolvimento” tinha mensagens internas de que o objetivo era dar ao Facebook uma base impenetrável e se tornar a “única fonte de notícias” para que pudessem colher dados de mercados inexplorados.

A empresa disse ao Post “estabelece um precedente perigoso pendurar uma história inteira em uma única fonte fazendo uma ampla gama de afirmações sem qualquer corroboração aparente”. Um porta-voz do Facebook enviou uma declaração da empresa sem o nome de uma pessoa anexado a ela, que chamou esse relatório de "abaixo" do Post e afirma que "No cerne desta história está uma premissa que é falsa. Sim, somos uma empresa e temos lucro, mas a ideia de que o fazemos às custas da segurança ou do bem-estar das pessoas não compreende onde estão nossos próprios interesses comerciais”.

Frances Haugen, ex-funcionária, foi a primeira a mostrar forma de negócios do Facebook

Muitas das alegações deste denunciante, que apresentou depoimentos à Comissão de Valores Mobiliários, ecoam as preocupações levantadas por Frances Haugen. Também ex-funcionária do Facebook, Haugen forneceu documentos internos ao Wall Street Journal para uma série de relatórios sobre a plataforma. O mais notável foi uma pesquisa interna que descobriu que o Facebook estava ciente de que sua plataforma Instagram era tóxica para adolescentes.

Haugen testemunhou perante o Congresso em 5 de outubro que o Facebook havia "repetidamente" enganado o público sobre "o que sua própria pesquisa revela sobre a segurança das crianças e a eficácia de seus sistemas de inteligência artificial como um papel na divulgação de mensagens divisivas e extremas".