Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.639,53
    +958,34 (+2,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Facebook rejeita conversa com publicação australiana, pode testar lei sobre conteúdo online

·2 minuto de leitura

Por Byron Kaye

SYDNEY (Reuters) - O regulador da concorrência na Austrália está investigando uma alegação de que o Facebook recusou o pedido de uma editora para negociar um acordo de licenciamento, disse o órgão à Reuters, preparando o cenário para o primeiro teste da lei mais rigorosa do mundo sobre conteúdo online.

A publicação The Conversation, que veicula comentários sobre assuntos atuais por acadêmicos, disse que pediu ao Facebook para iniciar conversas conforme exigido pela nova legislação australiana que exige que a empresa de mídia social e o Google, da Alphabet negociem acordos de fornecimento de conteúdo com os meios de comunicação.

O Facebook recusou sem dar um motivo, disse a The Conversation, embora a publicação tenha sido uma das primeiras na Austrália a garantir um acordo semelhante com o Google antes da lei em 2020.

A reviravolta pode representar o primeiro teste de um mecanismo polêmico exclusivo para o esforço da Austrália para recuperar os dólares de publicidade do Google e do Facebook: se eles se recusarem a negociar as taxas de licença com as editoras, um árbitro nomeado pelo governo pode intervir.

Em um comunicado respondendo a perguntas da Reuters, o chefe de parcerias de notícias do Facebook para a Austrália, Andrew Hunter, disse que a empresa estava "focada em fechar acordos comerciais com uma série de publicações australianas".

Hunter não respondeu a perguntas específicas sobre a conversa, mas disse que o Facebook está planejando uma iniciativa separada "para apoiar redações regionais, rurais e digitais da Austrália e o jornalismo de interesse público nos próximos meses", sem dar detalhes.

"Se o Google fez um acordo com eles, não vejo como o Facebook poderia argumentar que eles não deveriam", disse Rod Sims, presidente da Comissão Australiana de Concorrência e Consumidor (ACCC, na sigla em inglês), em uma entrevista.

"A questão da designação pode precisar entrar em jogo", observou ele, usando o termo para designar um árbitro.

Segundo a lei, a decisão de designar uma firma Big Tech para intervenção seria tomada pelo tesoureiro, que é assessorado pelo ACCC, observou Sims, mas "um absoluto 'não' para uma organização que deveria estar fechando um acordo é algo que vamos olhar."

O tesoureiro Josh Frydenberg, que no início deste ano negociou com o fundador do Facebook Mark Zuckerberg sobre as leis, não estava imediatamente disponível para comentar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos