Mercado fechará em 6 h 53 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,06
    +2,88 (+4,35%)
     
  • OURO

    1.787,10
    +10,60 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    57.189,37
    -784,37 (-1,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.467,35
    +24,58 (+1,70%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.161,04
    +101,59 (+1,44%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.386,25
    +235,75 (+1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3230
    -0,0470 (-0,74%)
     

Facebook questiona acusações sobre impacto negativo aos usuários

·1 min de leitura
Facebook questiona acusações sobre impacto negativo aos usuários. Foto: Getty Images.
Facebook questiona acusações sobre impacto negativo aos usuários. Foto: Getty Images.
  • Informações publicadas fazem parte da série de reportagens "The Facebook Papers", do The Wall Street Journal;

  • Na pesquisa interna divulgada, um em cada oito usuários é consciente dos danos causados pelo uso compulsivo da rede social;

  • Portanto, cerca de 360 milhões de pessoas presentes no Facebook sabem dos efeitos nocivos.

O Facebook, que agora é parte da Meta, conglomerado de tecnologia e mídia social, tornou a se defender de novas denúncias reportadas em matéria de um jornal norte-americano.

Agora, outro texto pertencente ao “The Facebook Files”, série de reportagens baseadas em documentos internos da empresa, divulgou arquivos de uma pesquisa na qual se afirma que um entre cada oito usuários percebem comportamentos negativos gerados pelo uso compulsivo da rede social. Os impactos provocados seriam no sono, no trabalho, na vivência com os filhos ou em relacionamentos de forma geral.

Leia também:

Desse modo, sabe-se que em torno de 360 milhões de usuários do Facebook sabem dos efeitos causados, e, ainda assim, a companhia não procuraria sanar tais impactos.

De acordo com defesa escrita por Pratiti Raychoudhury, vice-presidente de pesquisas da Meta, o chamado “uso problemático” da pesquisa não implica em vício. Segundo o texto, a empresa está sempre em busca de entendimento dos problemas, de forma a tentar controlar o uso intensivo dos serviços.

Outro aspecto defendido no texto, é que os estudos teriam sido realizados durante uma década, e como efeito, geraram ferramentas de bem-estar ao longo do tempo. De acordo com a companhia, os documentos achados são de maio de 2019.

O comunicado também afirma que a reportagem do jornal escolheu seletivamente os documentos internos, de modo a apresentar uma narrativa errada sobre o uso das pesquisas.

As informações são do Tecmundo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos