Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,85
    -0,18 (-0,45%)
     
  • OURO

    1.923,60
    -5,90 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    12.870,07
    +1.813,06 (+16,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    257,35
    +12,46 (+5,09%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.464,56
    -174,90 (-0,74%)
     
  • NASDAQ

    11.625,50
    -65,75 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Facebook quer impulsionar conteúdos de seus grupos

·1 minuto de leitura
Logomarca do Facebook em telas de celular
Logomarca do Facebook em telas de celular

O Facebook anunciou nesta quinta-feira (1) que busca aumentar a visibilidade dos grupos de assinantes, a fim de encorajar pessoas com diferentes pontos de vista a encontrar um terreno comum. 

A rede social também anunciou novas ferramentas de software para ajudar os administradores a manterem as conversas em um tom civilizado dentro dos grupos, que são usados por mais de 1,8 bilhão de pessoas por mês. 

Essas mudanças, que incluem atualizações para ajudar os administradores a interromper publicações violentas ou encontrar patrocinadores, foram anunciadas pela empresa durante sua cúpula anual da comunidade, realizada virtualmente devido à pandemia do coronavírus. 

"Os grupos estão permitindo que pessoas de perspectivas e contextos muito diferentes interajam", disse Fidji Simo, chefe do aplicativo do Facebook, à AFP. 

Os pais que ingressam em grupos dedicados ao ensino à distância para seus filhos, por exemplo, podem acabar tendo pontos de vista opostos sobre a reabertura de escolas ou a vacinação obrigatória. 

"Obviamente, com perspectivas diferentes surgem alguns desafios de segurança", como conteúdo odioso ou notícias falsas, reconheceu Simo. 

O Facebook, junto com a Google e o Twitter, será convocado pelo Senado dos Estados Unidos para responder dúvidas sobre sua luta contra esses e outros tipos de fraude online. 

Mais de 70 milhões de pessoas estão envolvidas na construção e operação de grupos no Facebook. 

Grupos privados exigem que seus membros sejam aceitos, enquanto qualquer pessoa na rede social pode participar de grupos públicos. 

Com as novas atualizações, os administradores também poderão organizar o conteúdo por tópico usando tags, tornando as postagens de grupos públicos mais visíveis.

A empresa também adicionou um curso de certificação para treinar administradores.

gc/bfm/yo/gfe/cc