Mercado fechará em 6 h 41 min
  • BOVESPA

    110.135,93
    -444,86 (-0,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,90
    +1,13 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.847,80
    -17,60 (-0,94%)
     
  • BTC-USD

    29.541,77
    +269,58 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    657,24
    +1,41 (+0,21%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.516,24
    +31,89 (+0,43%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.724,50
    -46,50 (-0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1609
    -0,0113 (-0,22%)
     

Facebook: proibições 'injustas' sobre cannabis prejudicam pequenas empresas

·3 min de leitura
Facebook proíbe anúncios que mencionam o cânhamo - planta pertencente à espécie Cannabis -, mesmo que a substância seja legal (Getty Images)
Facebook proíbe anúncios que mencionam o cânhamo - planta pertencente à espécie Cannabis -, mesmo que a substância seja legal (Getty Images)
  • Cânhamo é legal há décadas e já foi cultivado até por George Washington

  • 66% das pequenas empresas nos EUA usam o Facebook para publicidade

  • Empresas encontraram uma maneira criativa de cumprir as políticas do Facebook

As rígidas políticas de publicidade do Facebook e do Instagram estão prejudicando as pequenas empresas que fabricam produtos de cânhamo - mesmo que o derivado da Cannabis não possa deixá-lo sob os mesmos efeitos da famosa planta (por não conter THC), seja legal há décadas e tenha sido cultivado até por George Washington.

De acordo com Mike Goose, empresário de 41 anos que dirige a Let There Be Hemp - empresa com sede em Nova York que fabrica tortilhas de sementes de cânhamo -, seus anúncios são rejeitados pelo Facebook desde 2019. Tudo, segundo ele, por violar sua proibição de anúncios de produtos ou serviços ilegais. “Estamos muito confusos sobre por que eles os rejeitariam, já que o cânhamo era legal", comentou ao portal The New York Post.

Leia também:

Explicação rasa por parte do Facebook

Quando o fundador reclamou com o Facebook, a empresa ofereceu pouca clareza. Em um e-mail intrigante compartilhado com o The Post, uma funcionária de suporte do Facebook chamada Amelie disse a Goose que, embora não estivesse promovendo uma substância ilegal, “às vezes, alguns conteúdos podem ser detectados e relacionados a conteúdos que foram marcados como inseguros”.

Anúncios cruciais para pequenas empresas

Goose diz que a proibição desconcertante prejudicou sua capacidade de encontrar clientes e expandir seus negócios. “Nosso maior problema agora é nossa capacidade de divulgar nosso nome”. A situação da empresa de Mike ressalta o quanto os anúncios do Facebook são cruciais para as pequenas empresas americanas. 66% das pequenas empresas nos EUA usam o Facebook para publicidade, enquanto 41% usam o Instagram, de acordo com uma pesquisa de 2021.

Alternativas criativas e rebranding

Algumas empresas encontraram uma maneira criativa de cumprir as políticas do Facebook depois de ter vários de seus anúncios banidos. A Doozy Pots da Wonderlab - uma fabricante de gelato de cânhamo com sede em Cincinnati, Ohio -, por exemplo, removeu completamente a palavra “cânhamo” de suas embalagens. Depois que eles fizeram a alteração, seus anúncios começaram a ser aprovados.

Mas o rebranding forçado pelo Facebook como “à base de plantas” em vez de “à base de cânhamo” torna difícil se destacar contra seus concorrentes, de acordo com os fundadores marido e mulher Kirsten e Karl Sutaria. “Nossos concorrentes, se estiverem usando coco ou uma base de caju, podem falar sobre os benefícios de usar essa base”, disse Karl Sutaria ao The Post. “Não podemos falar de cânhamo em nossos anúncios. É uma desvantagem injusta para nós".

O Cânhamo - derivado da Cannabis, mas sem THC - ajuda a prevenir doenças como a ansiedade e a depressão, além do mal de Alzheimer (Getty Images)
O Cânhamo - derivado da Cannabis, mas sem THC - ajuda a prevenir doenças como a ansiedade e a depressão, além do mal de Alzheimer (Getty Images)

Na Justiça

Embora Sutaria e Goose não usem CBD (canabidiol) em seus produtos, outras pequenas empresas que usam o produto relacionado à maconha também reclamaram das políticas de anúncios da Meta. Em 2019, um empresário da CBD processou o Facebook no tribunal federal de Nova York por sua proibição de publicidade, alegando que a empresa “censurou indevidamente” anúncios de uma conferência online sobre a substância. O processo foi posteriormente arquivado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos