Mercado abrirá em 8 h 5 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,08
    -0,07 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.739,90
    +3,60 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    63.009,31
    -672,67 (-1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.373,45
    -2,33 (-0,17%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.623,90
    -276,93 (-0,96%)
     
  • NIKKEI

    29.650,70
    +29,71 (+0,10%)
     
  • NASDAQ

    13.817,25
    +18,50 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7693
    -0,0036 (-0,05%)
     

Facebook pode ter de divulgar dados de apps ligados ao caso Cambridge Analytica

Wagner Wakka
·1 minuto de leitura

A Justiça de Massachusetts decidiu que o Facebook deve entregar algumas informações sobre aplicativos na rede social, ainda relativos ao caso Cambridge Analytica que estourou em 2018.

A procuradora-geral Maura Healey havia entrado com um pedido semelhante a uma intimação para ter acesso aos dados. Nesta quarta-feira (24), o tribunal norte-americano informou que o Facebook ainda pode manter o sigilo de identificação de aplicativos suspeitos de uso indevido do conteúdo de clientes, mas que a procuradora pode conferir algumas informações.

A questão ainda gira em torno do caso Cambridge Analytica, que resultou no uso indevido de dados de 87 milhões de usuários da rede social, incluindo brasileiros. Na época, para investigar o incidente, o Facebook contratou uma auditoria externa do escritório de advocacia Gibson Dunn & Crutcher.

A investigação, segundo documento judiciais, resultou na suspensão de 69 mil apps, pelo motivo de os desenvolvedores não terem colaborado com o inquérito. Destes, cerca de 10 mil abusaram de uso de informações de usuários.

São estes dados do levantamento interno aos quais Healey quer acessar. Em 2019, ela entrou com o pedido para identificar tais apps. Embora o Supremo Tribunal Judicial de Massachusetts tenha considerado que parte dos registros do Facebook ainda devem ser mantidos em proteção, concedeu alguns materiais à procuradora. Especificações sobre quais seriam estes dados não foram divulgadas.

Para Healey, a decisão ajuda a minar “a tentativa do Facebook de ocultar informações do público sobre outros desenvolvedores de aplicativos que podem ter se envolvido em conduta imprópria como Cambridge Analytica".

Já o Facebook se defende dizendo que vai rever a decisão. Ainda, agradeceu pelo fato de o tribunal ter reconhecido a necessidade de preservação de dados internos da empresa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: