Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -0,32 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    36.630,13
    +1.629,47 (+4,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -43,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3932
    -0,0479 (-0,74%)
     

Facebook pede que funcionários não usem roupas com logo da empresa para evitar agressões

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
Logo do Facebook. (Foto: Jaap Arriens/NurPhoto via Getty Images)
Logo do Facebook. (Foto: Jaap Arriens/NurPhoto via Getty Images)

O Facebook, a maior rede social digital do mundo, enviou uma mensagem para funcionários na última segunda-feira (11) recomendando que eles não utilizem roupas com o logo da empresa nas ruas, para evitar possíveis agressões de apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Antes um símbolo de status e de sucesso no setor de tecnologia dos Estados Unidos, as roupas com a famosa logo da rede social agora se tornaram uma possível indicação de “alvo” para manifestantes violentos.

Leia também:

O e-mail com as novas recomendações do departamento pessoal do Facebook foi obtido pelo site The Information e repercutiu na mídia dos Estados Unidos.

A escalada do conflito entre os apoiadores do presidente Donald Trump e as redes sociais, especialmente o Facebook e o Twitter, chegou a um novo patamar depois da decisão de ambas as empresas de banir permanentemente a conta do presidente.

Isso ocorreu depois de Trump ter usado suas plataformas na internet para insuflar manifestações populares que culminaram em um protesto e na invasão do Capitólio dos Estados Unidos, com vítimas fatais do embate com a polícia.

Trump alega, sem provas, que a eleição da qual o candidato democrata Joe Biden saiu vitorioso teria sido “roubada”.

Argumentando que a decisão mirava impedir futuros distúrbios promovidos por Trump, as redes decidiram então pelo seu banimento permanente.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube