Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.448,95
    -1.593,29 (-4,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Facebook patrocina estudo que ataca política de privacidade da Apple

·2 minuto de leitura
Facebook patrocina estudo que ataca política de privacidade da Apple
Facebook patrocina estudo que ataca política de privacidade da Apple

Um estudo acadêmico financiado pelo Facebook avalia a nova tecnologia de rastreamento de apps da Apple como “devastadora”, utilizando a proteção à privacidade de dados como estratégia para impor medidas anticompetitivas. Denominado com o nada neutro título Harming Competition and Consumers Under the Guise of Protecting Privacy (“Prejudicando a Competição e os Consumidores sob a Desculpa de Proteger a Privacidade”), o artigo é assinado pelos pesquisadores D. Daniel Sokol, da Escola de Direito da Universidade da Flórida, e Feng Zhu, da Harvard Business School.

Citando a Apple em 11 de 22 páginas, o estudo apoiado pelo Facebook afirma que as mudanças impostas pela empresa, vestidas como medidas de proteção à privacidade, prejudicam “todo um ecossistema de anúncios”, abrangendo de desenvolvedores a anunciantes e consumidores. Segundo o artigo, quando a Apple limita a capacidade de outros apps “produzirem valor” através de publicidade personalizada, encerra-se qualquer possibilidade de concorrência.

Desde o lançamento do iOS 14.5, a Apple exige, através do App Tracking Transparency (ATT), que os desenvolvedores de apps peçam autorização ao usuário para rastrear suas informações e atividades. O rastreamento, em geral, serve para aproveitar os dados em anúncios personalizados. Sobre os termos de privacidade, o estudo do Facebook descreve as mensagens da Apple como de tom “rígido, tendencioso e enganoso”. Para os pesquisadores, a Apple tira dos consumidores a capacidade de realizar “escolhas significativas e informadas” sobre o uso de dados.

“Sem explicações convincentes de como suas mudanças de política representam os meios menos restritivos de aumentar a privacidade do consumidor, a Apple terá dificuldade em justificar sua conduta excludente”, diz o artigo, que não chegou a consultar os executivos da empresa rival sobre a questão.

Outro ponto levantado seria como tais práticas supostamente direcionadas para o consumidor afetariam o acesso a conteúdo gratuito e ajudam a consolidar o domínio da Apple no mercado de sistemas operacionais.

Doendo no bolso

Se isso parece extremamente enviesado, não faltam razões para desconfiar. O artigo basicamente repete o que o Facebook já vinha dizendo desde sempre. A empresa vive de anúncios direcionados e não conseguiu quase adesão nenhuma dos usuários diante da Apple tornar isso opcional: apenas 4% das pessoas decidiram prosseguir com o rastreamento.

O curioso, no entanto, é ver como o Facebook tem dispendido energia humana e financeira para constituir um caso antitruste contra a Apple, mesmo ele mesmo sendo também investigado por formação de monopólio. As descobertas do artigo, por sinal, parecem estar bem alinhadas com a posição pública da Mark Zuckerberg sobre o tema.

“A Apple pode dizer que está fazendo isso para ajudar as pessoas, mas esse movimento [de criar uma tecnologia de rastreamento para apps] só rastreia seus interesses”, disse o executivo, durante uma videochamada para funcionários do Facebook, em janeiro deste ano.

Via Apple Insider

Imagem: Marija Zaric/Unsplash/CC

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos